Oposição senegalesa convoca novas manifestações | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 10.03.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Oposição senegalesa convoca novas manifestações

Movimento de Defesa da Democracia apela para que cidadãos cumpram luto em respeito aos mortos no último protesto. Tanques militares patrulham área da sede do Governo, e novos protestos estão previstos para sábado.

A oposição do Senegal convocou nova manifestação na capital Dakar para o próximo sábado (13.03), dias após a prisão de um rival do Presidente Macky Sall ter provocado os piores confrontos de rua em manifestações no país da África Ocidental dos últimos anos.

Ao menos cinco pessoas foram mortas na manifestação ocorrida na quarta-feira passada após a prisão do líder da oposição Ousmane Sonko - um crítico do Governo, muito popular entre os jovens. A oposição diz que registou 11 mortos. 

Além da manifestação pacífica, o Movimento de Defesa da Democracia (M2D) apelou para que os cidadãos cumpram um dia de luto na sexta-feira, vestindo-se de branco para lembrar os manifestantes mortos. O M2D também pressiona pela libertação do que chama de prisioneiros políticos.

Weltspiegel 09.03.2021 | Senegal | Proteste in Dakar

Reação da polícia causou mortes

Violação sexual

Ousmane Sonko, de 46 anos, ficou em terceiro lugar nas eleições presidenciais de 2019 e é considerado um candidato para substituir o Presidente Macky Sall em 2024. O seu futuro político foi posto em questão no mês passado após a funcionária de um salão de beleza o ter acusado de a ter violado.

Sonko foi então preso sob a acusação de perturbação da ordem pública depois de os seus apoiantes entrarem em choque com a polícia enquanto ele se dirigia ao tribunal responder as acusações de violação.

Para a oposição política senegalesa, o processo de violação contra Sonko encaixa-se num padrão percebido de perseguição dos opositores do Governo. O caso tem feito analogias com Karim Wade, filho do ex-presidente Abdoulaye Wade, que foi impedido de concorrer nas eleições de 2019, depois de ter sido condenado por corrupção.

As áreas onde ocorreram os confrontos em Dakar voltaram à calma na terça-feira, embora tanques militares permaneçam em posição próximo a sede do Governo. 

Após a libertação, Sonko declarou que "a revolução já começou e ninguém pode impedi-la". Ele também exortou o povo senegalês a continuar a manifestar-se, acrescentando que os protestos deveriam ser "muito maiores", mas também pacíficos.  

Senegal Casamance-Konflikt | 2012, Youssou Ndour, Musiker

Oposição suspeita que Macky Sall quer um terceiro mandato

Terceiro mandato

Ao abordar a situação na segunda-feira à noite, Sall apelou aos manifestantes para "evitar a lógica de confrontação que leva ao pior". Os tribunais deveriam ser deixados a fazer o seu trabalho "com toda a independência", acrescentou.

A acusação de violação vem também no meio da incerteza sobre se o Presidente de 59 anos de idade irá procurar um terceiro mandato. Outros presidentes da África Ocidental - tais como Alpha Conde da Guiné ou Alassane Ouattara da Costa do Marfim - utilizaram alterações constitucionais para ganhar o terceiro mandato.

Sonko desafiou o Presidente a confirmar, "publicamente e inequivocamente", que não irá procurar obter um terceiro mandato. "Acreditamos que devemos impor uma agenda a Macky Sall porque o equilíbrio de poder nos permite fazê-lo", disse o oposicionista na segunda-feira.

Sall disse aos jovens, que constituíam a grande maioria dos manifestantes, que eram sua preocupação. As autoridades impuseram um recolher obrigatório para limitar a propagação das infeções por coronavírus.

Assistir ao vídeo 03:25

ONG está a tornar Dakar verde, uma árvore de cada vez

Leia mais