ONG apelam ao combate à seca no sul de Angola | Angola | DW | 26.08.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

ONG apelam ao combate à seca no sul de Angola

O Governo angolano ainda não decretou o estado de emergência para fazer face à seca no sul de Angola. As ajudas são poucas e a seca continua a afetar severamente as populações locais.

A seca no sul de Angola tem piorado, sendo os meses de julho, agosto e setembro os mais quentes nesta região. O Governo não declarou o estado de emergência e organizações não-governamentais (ONG) no terreno apelam a uma ação imediata das autoridades competentes.

Este é um problema que já tem muitos anos e milhares de famílias são afetadas pela fome e falta de recursos. A ajuda tem chegado aos poucos, mas não é suficiente.

Fome, mortes e fuga de pessoas

Há muitas necessidades urgentes para as populações que vivem nas províncias mais a sul de Angola. A agricultura não consegue gerar os recursos necessários e isso afeta a alimentação.

Bonn Padre Jacinto Pio Wacussanga aus Angola

Padre Jacinto Pio Wacussanga

O padre Pio Jacinto Wacussanga, da Associação Construindo Comunidades, diz que a questão alimentar é uma prioridade, e que o Governo devia definir uma cesta básica alimentar, para beneficiar todos os afetados pela seca e pela fome.

"A primeira coisa imediata para mudar a situação é definir muito bem o direito à alimentação adequada. É necessário que o Estado, do ponto de vista da legislação, [preveja] por exemplo sistemas de alimentação para poder prover as famílias afetadas", afirma.

Rafael Morais, diretor da organização não-governamental Friends of Angola, também tem acompanhado o problema da seca com preocupação.

As mortes e a fuga de várias famílias para outros países têm sido algumas das consequências mais graves, refere o ativista: "De acordo com as organizações locais que trabalham com a Friends of Angola, cinco crianças morrem por dia por causa da fome. As famílias estão a ir para os países vizinho à procura de melhores condições de sobrevivência".

Ouvir o áudio 03:23

ONG apelam ao combate à seca no sul de Angola

Contudo, o responsável pela Friends of Angola aponta soluções para prevenir danos maiores no futuro: "Essas províncias do Cunene, Cuando Cubango, Moxico e Huíla têm rios. Têm rios grandes que podem permitir ao Estado criar condições de irrigação, para poder criar condições de reserva alimentar para quando chega essa altura da seca encontrar solução para esse problema", reforça Morais.

Estado de emergência

Uma das medidas mais esperadas pelas ONG é que o Governo central decrete o estado de emergência. Segundo o padre Pio Wacussanga, isso permitiria que houvesse mais ajuda internacional.

"Temos, de facto, uma catástrofe", diz em entrevista à DW. "É preciso que o Governo tenha coragem de declarar o estado de emergência por causa desta situação. Porque já está a atingir contornos muito preocupantes. E, se declarasse o estado de emergência, haveria também a vantagem de se permitir a entrada de agências internacionais que pudessem acudir as pessoas."

"Sem isso, infelizmente, há pouco movimento internacional, que venha ajudar a minimizar o problema", sublinha Wacussanga.

Angola Rafael Morais Menschenrechtsaktivist

Rafael Morais, da ONG Friends of Angola

Também Rafael Morais reforça a necessidade de decretar o estado de emergência. "O estado de emergência vai gerar solidariedade nacional e internacional no sentido de poder trazer bens alimentares para essas famílias e encontrar outras condições, de forma minimizar a fome no sul de Angola", diz.

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) anunciou, na semana passada, a entrega de três contentores às regiões mais afetadas pela seca no valor de 160 mil dólares, com produtos nutricionais, água e kits de higiene. Em maio, a ONU disponibilizou uma ajuda de 6,4 milhões de dólares para o Governo angolano enfrentar esta seca.

Segundo o padre Wacussanga, além de dinheiro, são precisos vários outros elementos para contrapor os efeitos da seca.

"Isto precisa de muitos recursos financeiros, precisa de políticas novas, precisa de recursos humanos preparados para preparar a mitigação dos efeitos, precisa do envolvimento das comunidades para poderem terem técnicas de resiliência", afirma.

Apesar de tudo, Rafael Morais ainda acredita que o Estado angolano tem meios para fazer face à seca no sul de Angola: "O Estado tem capacidade. Nós sabemos que o Estado angolano tem muito dinheiro. O Estado angolano tem dinheiro para poder acudir à fome no sul de Angola", conclui.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados