Nyusi pede a ONG internacionais que ″deixem a política″ | Moçambique | DW | 17.07.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Nyusi pede a ONG internacionais que "deixem a política"

Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, diz que país está a ser alvo de chantagem económica e política por parte de organizações estrangeiras. Populares pedem a Governo que se foque no combate à corrupção.

O Presidente Filipe Nyusi disse, durante a visita de trabalho de dois dias à província da Zambézia, que há muitas organizações internacionais em Moçambique que, ao invés de apoiarem a população, fazem política, apoiando inclusive partidos políticos.

"Deixem a política para os moçambicanos", afirmou Nyusi na segunda-feira (15.07.), durante um comício popular no distrito de Gilé. "Não venham com a capa de uma ONG para vir fazer política."

Para Nyusi, algumas organizações não-governamentais estrangeiras fazem demasiadas imposições ao Estado moçambicano, e isso acaba por dificultar o desenvolvimento económico e social da própria população.

"Nós ficamos sem liberdade de tomar decisões", disse o Presidente. Segundo o Nyusi, as organizações não podem impor uma forma de pensamento por abrirem um "furo de água", por exemplo: "Acabam por nos retirar a liberdade de pensarmos normalmente por causa de seremos pobres. Sim, somos pobres, mas não devemos ser manipulados."

Ouvir o áudio 03:16

Nyusi pede a ONG internacionais que "deixem a política"

Luta contra a corrupção

Filipe Nyusi esteve na segunda e na terça-feira na Zambézia para uma visita de trabalho de dois dias, tendo passado pelos distritos de Ile, Gilé, Pebane e Mocuba, a norte da província.

Os populares das localidades visitadas queixaram-se sobretudo da falta de emprego e de instituições de ensino técnico-profissional, bem como das péssimas condições em que se encontram as estradas, apesar de a região ser rica em recursos minerais e florestais.

Mas, na opinião de alguns residentes de Gilé, por exemplo, o problema mais gritante é a corrupção nos setores públicos.

"Estamos mal aqui, no que diz respeito à corrupção. Até nos hospitais. Se não tem 'padrinho' lá, você fica na bicha de consulta das 8h até às 15h... Temos muitos problemas nos hospitais, assim como nas escolas. Mesmo nas pequenas vagas que lançam, para você entrar tem que ter 'padrinho'", denunciou um residente em entrevista à DW África.

Na terça-feira, antes de terminar a visita de trabalho à província, o Presidente Filipe Nyusi reuniu-se na cidade de Mocuba com quadros do governo provincial e mostrou-se agastado com o índice de corrupção na Função Pública em Moçambique.

"Pedi um levantamento de todos os setores e todos os distritos, e em cada distrito e setor há manifestações de corrupção. Há cobranças ilícitas, pessoas que mentem e prometem que vão empregar os jovens, e eles, aflitos, sem emprego, aceitam, mas não ficam com emprego nenhum", referiu Nyusi.

O Presidente sublinhou que a situação o está a "preocupar muito" e está a "incomodar a população". Filipe Nyusi defendeu uma mudança radical de comportamento dessas pessoas.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados