Nyusi admite travar acesso de não vacinados a locais públicos | Moçambique | DW | 15.12.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Nyusi admite travar acesso de não vacinados a locais públicos

Medida seria adotada para conter avanço da nova variante Ómicron em Moçambique. Presidente considera atual cenário preocupante e assinala que número de infeções têm estado a subir nos últimos dias no país.

O Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, admitiu a possibilidade de o Governo impedir a entrada de pessoas não vacinadas em locais públicos, para travar a propagação do coronavírus, face à circulação no país da nova variante Ómicron.

"A qualquer momento podemos limitar [o movimento e acesso] de pessoas que não tenham tomado a vacina" a locais públicos, declarou Filipe Nyusi, citado hoje pelo jornal Notícias, o principal diário Moçambicano.

O Presidente moçambicano descreveu o atual cenário como preocupante, assinalando que o número de infeções têm estado a subir nos últimos dias no país. "Reportaram-me, há dias, um cenário alarmante. Num conjunto de 200 pessoas, aglomeradas num sítio pequeno, foram testadas 133. Destas, mais de 60 estavam infetadas", enfatizou Filipe Nyusi.

Incentivo à vacinação

Filipe Nyusi exortou a população moçambicana a aderir à vacinação contra a Covid-19, observando que o país tem recebido "muitos apoios" em vacinas. "Peço que se apresentem [nos postos de vacinação]", exortou o chefe de Estado moçambicano. Moçambique regista 1.945 óbitos por Covid-19 e mais de 153.787 casos positivos.

A Covid-19 provocou pelo menos 5.311.914 mortes em todo o mundo, entre mais de 269 milhões infeções pelo novo coronavírus registadas desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

Assistir ao vídeo 01:36

Nova autarca de Joanesburgo cuida de uma "cidade doente"

Leia mais