Novo partido angolano quer ser ″solução″ de inspiração alemã | NOTÍCIAS | DW | 20.03.2018

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Novo partido angolano quer ser "solução" de inspiração alemã

Nas próximas eleições, Angola poderá ter uma nova força política. A Acção Pelo Reforço da Democratização em Angola (ARDA) está em vias de criação por Teka Ntu, que pretende implementar um "Plano Marshall angolano".

Nationalversammlung von Angola

Assembleia Nacional Angolana

O ARDA foi fundado no início do ano na Alemanha por Teka Ntu, ex-secretário nacional das relações exteriores da Aliança Patriótica Nacional (APN), que até às últimas eleições fazia parte desta formação. O novo partido ainda vai ser registado em Angola.

Há 35 na Alemanha, Teka Ntu espera criar uma "solução angolana" para melhorar a vida dos habitantes de seu país a partir das experiências alemães, como contou em entrevista à DW África.

DW África: Quais são as experiências políticas, económicas e sociais da Alemanha que o ARDA gostaria de promover em Angola?

Teka Ntu (TN): A experiência que eu quero promover no meu país, que é Angola, é a boa lição que consegui aprender durante os 35 anos que fiquei na Alemanha. Eu quero trazer para cá, porque a população angolana precisa de melhores perspetivas para o futuro. As chances para isso são favoráveis, mas a minha ideia é que devemos criar um Plano Marshall para Angola, que deverá não apenas finalizar a arrancada, mas também estabelecer o novo tipo de cooperação económica em nível de igualdade. Os investimentos da economia privada deverão criar empregos e perspetivas em Angola e combater em longo prazo as causas do êxodo. Angola é um país com outra realidade. Devemos falar primeiro da questão da corrupção antes de entrar na parte económica. O Governo angolano deve criar um clima seguro e atraente para os investimentos. A Alemanha e os países da Europa deverão contribuir com inovações e tecnologia para que os desafios angolanos sejam transformados em chances angolanas.

Angola Wahlen 2017

Teka Ntu (dir.) e Quintino Moreira, presidente da APN

DW África: São realidades muito diferentes entre os dois países, Alemanha e Angola. Como pretende replicar essas políticas que viu na Alemanha no contexto angolano?

TN: Devemos criar uma lei contra a corrupção. Se não criarmos a lei contra corrupção, a corrupção tem o poder de travar o desenvolvimento económico do nosso país.

DW África: O ARDA já está registado em Angola?

TN: Ainda não. Estou neste momento em Angola para ver como posso criar este partido, que é meu sonho. E para que no futuro possa haver votos nos angolanos que se encontram fora do nosso país. E depois da legalização do nosso partido, claro que vou criar uma ponte entre os angolanos da diáspora e os angolanos que se encontram em Angola.

DW África: O partido diz acreditar no trabalho em conjunto de todos os outros partidos em prol da população. Não acha que isso é um pouco inocente por parte do ARDA? Acha que os outros partidos angolanos estão dispostos a trabalhar juntos?

TN: Devemos mudar o nosso comportamento. O que eu priorizo é a nação. É Angola em primeiro lugar, depois as etiquetas políticas. O que eu acho é que deve haver um bom entendimento entre todas as forças políticas angolanas. Devemos lutar por uma só nação, que é Angola. Haverá um bom tempo em que o africano ou angolano vai ser convencido a trabalhar de mãos dadas.

DW África: O que diria sobre os partidos da oposição angolana?

TN: A UNITA [União Nacional para a Independência Total de Angola] está a tentar contribuir no que pode. Passa-se a mesma coisa com a CASA-CE [Convergência Ampla de Salvação de Angola - Coligação Eleitoral]. E onde eu fiquei mais de um ano, onde eu participei das grandes atividades durante as campanhas, do que eu vi na APN [Aliança Patriótica Nacional], o tal partido está a trabalhar com boa vontade.

DW África: Acha que a participação da oposição hoje em dia é mínima?

TN: Sim, é mínima mesmo. Devemos juntar os nossos esforços a fim de conseguir conduzir uma Angola livre.

Leia mais