Novo Governo angolano terá intervenção política mais forte na RDC, diz analista | Angola | DW | 23.06.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Novo Governo angolano terá intervenção política mais forte na RDC, diz analista

Em entrevista à DW África, Alex Vines, especialista do instituto britânico Chatham House, afirma também que a intervenção armada na República Democrática do Congo "não é uma boa opção para Angola".

UNICEF Angola - Flüchtlingskrise (UNICEF Angola/2017/M. Gonzalez)

Refugiados da RDC chegam a Dundo, Angola

Há uma clara mudança de paradigmas na política de Angola em relação ao seu atribulado vizinho, a República Democrática do Congo, (RDC). Se durante anos Luanda foi apoiante quase incondicional do Joseph Kabila, agora deixou de esconder uma certa irritação e impaciência com o Presidente congolês e a sua tentativa de se agarrar ao poder em contravenção da Constituição do seu país.

Em entrevista à DW África, Alex Vines, especialista do instituto britânico Chatham House, afirma que Angola tem estado a olhar para as suas opções em relação à situação da RDC. No entanto, acrescenta o analista, não haverá uma posição "definitiva" de Angola face a esta situação antes das eleições gerais, que se realizam em agosto próximo.

Angola Forum 2017 - Alex Vines (DW/M. Sampaio)

Alex Vines, especialista do instituto britânico Chatham House

DW  África: Porquê a mudança de Luanda em relação a Joseph Kabila neste momento?

Alex Vines (AV): Acho que há uma troca de análises, neste momento em Luanda, entre o Ministério das Relações Exteriores e a Presidência da República sobre o acréscimo de risco existente hoje na RDC e sobre o facto de a classe política em Kinshasa estar a precisar de um mapa concreto para a mudança. A RDC precisa de dar passos concretos para eleições e uma nova presidência em Kinshasa.

DW  África: Ou seja, Angola decidiu que é de interesse próprio que Kabila não continue na chefia do Governo?

(AV): Sim, o que o Governo angolano quer é estabilidade em Kinshasa e na RDC. Neste momento, há angústia em Luanda sobre o que se está a passar. Eu penso que o mais importante para Angola, neste momento, é duas coisas: a primeira, é a situação de calma [no país], porque em agosto há eleições, e depois a situação de calma nos vizinhos de Angola, e neste ponto, a RDC é o mais importante de todos para Luanda.

Ouvir o áudio 02:48
Ao vivo agora
02:48 min

Novo governo angolano terá intervenção política mais forte na RDC, diz analista

DW  África: Será tão importante que Luanda estaria na disposição de voltar a intervir militarmente como já o fez na viragem do século?

(AV): Isso é uma boa questão. Penso que a situação no Kasai, na RDC, com os refugiados congoleses a passar para as Lundas, está a fazer pressão sobre as autoridades angolanas, que estão a pensar já mais a fundo sobre as opções para a RDC. Não vamos ver algo definitivo antes das eleições gerais em Angola em agosto próximo, mas depois, com o novo Governo em Luanda, vai haver uma intervenção política angolana mais forte sobre a RDC.

DW  África: Será que já houve reações do lado do Congo a esta mudança de paradigmas do vizinho?

AV: É claro que há políticos emKinshasa que têm medo que Angola esteja a pensar na opção de uma intervenção armada na RDC. Eu penso que esta não é uma boa opção para Angola. A situação doméstica na RDC é bastante complicada e também nesta altura, com o petróleo tão baixo como está - a 45 dólares por barril - não é um gasto que as autoridades angolanas queiram fazer.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados