Novo filme de Welket Bungué retrata passado esclavagista na Guiné-Bissau | Guiné-Bissau | DW | 20.11.2020

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Guiné-Bissau

Novo filme de Welket Bungué retrata passado esclavagista na Guiné-Bissau

"Cacheu Cuntum" é o mais recente projeto do realizador guineense Welket Bungué, que mostra a região de Cacheu e o seu passado colonial ligado ao tráfico de escravos.

Realizador Welket Bungué durante a visita a Cacheu

Realizador Welket Bungué durante a visita a Cacheu

A cidade de Cacheu, situada nas margens do rio com o mesmo nome, foi, no passado longínquo, um entreposto de grande relevância para o escoamento de pessoas escravizadas. Elas eram capturadas e levadas de vários lugares da costa ocidental de África para serem vendidas às embarcações que ali se iam "reabastecer" de corpos expropriados ao continente africano. 

Esta é uma das vertentes de "Cacheu Cuntum", o novo projeto cinematográfico de Welket Bungué, que vai ao encontro do local marcado por um passado histórico recente, ainda no século XX, que o realizador guineense quer mostrar ao mundo. 

"Estive na Guiné-Bissau entre maio e junho de 2019 e fui filmando com o telemóvel os diversos lugares por onde passei. E isso resultou numa coletânea de imagens dispersas, de alguma maneira", conta Bungué.

"E a minha ida a Cacheu foi fundamental porque ao mesmo tempo que eu filmei as paisagens e também gravei um encontro que tive com o guia do Memorial para a Escravatura e Tráfico Negreiro."

Film Cacheum Cuntum

Forte de Cacheu com figuras estatuárias do colonialismo português

Escravos para o Brasil

Bungué fez-se acompanhar do guia guineense, Pascoal Gomes, e um ano depois decidiu produzir este filme documentário, que, além de mostrar os bairros populares da Guiné-Bissau, recupera uma parte da história colonial. 

"A última fase de decadência de Cacheu aconteceu depois da abolição da escravatura. Naquela altura, todos os escravos saídos da Guiné-Bissau passavam por Cabo Verde e eram enviados depois para o Maranhão, no Brasil. A maior parte era levada para o Maranhão. Naquela altura, o Brasil desenvolvia a produção de cana de açúcar. E era esse o objetivo de levar escravos para lá", descreve. 

Assistir ao vídeo 01:37

Ngungunhane: o herói moçambicano que fez frente aos portugueses

O Forte de Cacheu, junto ao mar, é um dos lugares importantes que transporta o visitante para o período marcado pela presença colonial portuguesa. O realizador guineense, radicado em Berlim (Alemanha), destaca a figura de Honório Pereira Barreto, um antigo traficante de escravos português. 

"Ele foi bastante louvado pela coroa portuguesa na época e isso também lhe deu propriedade de bastantes terras na Guiné-Bissau, o que lhe permitiu, de alguma maneira, capitalizar estas pessoas que eram tidas como escravizadas e daí enviadas para o Brasil, para Cabo Verde", conta.

"É sabido que o Porto de Cacheu, que ficava ali próximo do forte, foi um entreposto de escoamento de pessoas escravizadas, não só retiradas do território da Guiné-Bissau, mas também de grande parte da África Ocidental", explica o realizador.

A nova Guiné-Bissau

Welket Bungué tenta resgatar assim a "soberania histórica" da Guiné-Bissau e as memórias dos lugares que visitou. Mas, para além da necessidade de preservar o passado, pretende igualmente dar a conhecer uma outra Guiné-Bissau. 

Film Cacheum Cuntum

O porto de Cacheu foi um entreposto de escoamento de pessoas escravizadas

"Neste filme, o que se pretende é mostrar que a Guiné-Bissau está ainda num processo de transformação profunda por todas as razões que nós sabemos e que são comunicadas pelos Media. Mas há famílias e há crianças que têm essa premissa, que é a de terem um futuro promissor também. Esse futuro promissor não passa só por ser fora de África, mas também é possível ser construído na Guiné-Bissau", entende Bungué.

De acordo com o realizador, o filme, já legendado em português e inglês, tem fortes possibilidades de vir a ser selecionado para festivais internacionais pela temática antropológica e histórica que aborda.  

"Provavelmente festivais que estão mais interessados no experimentalismo cinematográfico ou festivais de documentário a nível internacional também."

Entretanto, “Bustagate”, outro filme do realizador guineense, estreou esta quinta-feira (19/11) em Portugal, no Festival Caminhos. As produções cinematográficas de Bungué ganham cada vez mais asas, tal é o caso de “Intervenção Jah”, que marca presença na XII Muestra Internacional de Cine Africano de Argentina, que decorre de 16 a 26 deste mês.

Welket Bungué foi escolhido, também na quinta-feira, o melhor ator no Festival de Cinema de Estocolmo. O prémio é um reconhecimento pela atuação do luso-guineense no filme "Berlin Alexanderplatz", do realizador alemão Burhan Qurbani. O filme, por sua vez, foi eleito o melhor da competição oficial, anunciou o festival que termina no domingo (22.11).

Leia mais