Nigéria procura alunos sequestrados em novo ataque a escola | NOTÍCIAS | DW | 17.02.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Nigéria procura alunos sequestrados em novo ataque a escola

Grupo armado invadiu um colégio interno no centro do país, e sequestrou "centenas de estudantes", segundo um responsável local. Governo da região fala em 42 pessoas sequestradas. Presidente ordenou operação de resgate.

Homens armados atacaram na terça-feira (16.02) à noite um colégio interno, no estado do Níger, centro-oeste da Nigéria e raptaram "centenas de alunos" e vários professores, disse esta quarta-feira um responsável local e outro das forças de segurança.  

"Bandidos entraram num colégio do governo de Kagara e raptaram centenas de estudantes e os seus professores", afirmou um responsável local, que pediu o anonimato. Muitos homens armados, vestidos com uniformes militares, levaram os alunos para a floresta, de acordo com a mesma fonte.

"Um dos funcionários e alguns dos estudantes conseguiram escapar. O pessoal confirmou que um estudante foi morto a tiro" durante o ataque, acrescentou.

O governo da região, por seu lado, anunciou que foram raptadas 42 pessoas, incluindo 27 alunos, e confirmou que uma das crianças foi morta durante o ataque. 

A escola secundária tem cerca de 1.000 alunos, mas o número exato de adolescentes raptados ainda não é conhecido. "Está em curso uma contagem para se determinar o número exato de estudantes raptados. Esperamos que todos aqueles que fugiram da escola [na sequência do ataque] voltem para a contagem", disse uma fonte de segurança. 

Os militares, com apoio aéreo, procuravam esta quarta-feira os raptores e os reféns, com vista a uma possível operação de salvamento, disse a fonte.

Buhari ordena operação de resgate

Assistir ao vídeo 02:40

Boko Haram: Rapto de raparigas de Chibok foi há cinco anos

O Presidente da Nigéria, Muhammadu Buhari, já ordenou uma operação de resgate: "O Presidente ordenou às forças armadas e à polícia que devolvam imediatamente todos os prisioneiros, ilesos", disse o seu porta-voz, Garba Shehu, num comunicado.  

"Os bandidos atacaram a escola por volta das 02h00 da manhã de quarta-feira. Ao todo, raptaram 42 pessoas", disse à agência de notícias francesa AFP Muhammad Sani Idris, comissário de informação do estado do Níger, onde fica o estabelecimento de ensino, em regime de internato.  

"Na altura do ataque, havia 650 alunos na escola. Levaram 27 alunos e três professores. Um estudante foi morto. Eles também raptaram 12 membros das famílias dos professores", acrescentou.  

Este rapto ocorreu dois meses após um outro ataque de grupos criminosos a uma escola, no estado vizinho de Katsina, na sequência do qual foram raptados 344 alunos. Os alunos foram libertados uma semana após o ataque, depois de negociações entre as autoridades e os rebeldes. 

Sequestros intensificam-se

O noroeste e centro da Nigéria é, há quase uma década, flagelado pela violência de grupos criminosos conhecidos localmente como "bandidos", que estão a intensificar os raptos, para resgate, e roubo de gado.

Estes bandos criminosos são motivados pela ganância, mas alguns deles desenvolveram fortes ligações com grupos terroristas no nordeste. Nestes incluem-se os grupos que raptaram 344 estudantes de um internato na cidade de Kankara, estado de Katsina, em dezembro último.

Estes grupos armados agiram em nome do grupo terrorista Boko Haram, que reivindicou a responsabilidade pelo rapto num vídeo, mas o seu baluarte encontra-se a centenas de quilómetros de distância, no nordeste da Nigéria.

O rapto causou uma agitação global e trouxe de volta memórias de outra ação semelhante do Boko Haram, que raptou mais de 200 raparigas em Chibok, no nordeste, em 2014. 

Os alunos de Kankara foram libertados após uma semana de cativeiro, na sequência de negociações entre os gangs e os governos de Katsina e Zamfara. E em 09 de fevereiro, o raptor, um líder de grupo armado, Awwalun Daudawa, rendeu-se às autoridades em troca de um acordo de amnistia.

Assistir ao vídeo 03:43

"Príncipe nigeriano", Abba Kyari ajuda crianças traumatizadas

Leia mais