Moçambique: ″Situação está controlada em Mocímboa da Praia″ | Moçambique | DW | 26.12.2017

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Moçambique: "Situação está controlada em Mocímboa da Praia"

Após a morte de um polícia na semana passada – vítima de um ataque armado –, o porta-voz da polícia diz que não se pode generalizar "casos isolados" e que não se trata de um "problema de segurança pública".

Mocímboa da Praia tem sido alvo de ataques protagonizados por um grupo desconhecido

Mocímboa da Praia tem sido alvo de ataques protagonizados por um grupo desconhecido

O porta-voz da Polícia da República de Moçambique, Inácio Dina, garantiu, esta terça-feira (26.12), que a situação está "controlada” em Mocímboa da Praia, na província nortenha de Cabo Delgado, após mais um ataque que vitimou um polícia, na semana passada.

Em outubro, a localidade registou os primeiros ataques. Um grupo desconhecido atacou postos da polícia e sitiou a vila durante dois dias. Semanas depois, novos atos de violência foram registados na região.

Para Inácio Dina, "não se pode tomar casos isolados e generalizá-los", reiterando que a polícia tem o controlo da situação.  

"Não podemos fazer desta questão um problema de segurança pública", acrescentou o porta-voz, lembrando que ainda decorrem as audições às várias pessoas que foram detidas indiciadas de envolvimento nos ataques.

Apelo da polícia

No início de dezembro, o comandante-geral da polícia, Bernardino Rafael, apelou à rendição dos autores dos ataques armados, dizendo que se assim o fizessem poderiam ter as penas abrandadas.

Mosambik Mocímboa da Praia

Governo distrital identificou dois suspeitos dos ataques

"Ao arrependerem-se e entregarem-se com as respetivas armas e catanas, iremos perdoá-los e entregá-los nos processos normais de produção e desenvolvimento do país", referiu.

No balanço de vítimas dos ataques de 4 e 5 de outubro e os que se sucederam pelo resto do mês nos arredores, as autoridades contabilizam pelo menos dois polícias e outros quatro agentes das forças de segurança. Também segundo as autoridades, mais 10 atacantes foram mortos.

O Governo distrital de Mocímboa da Praia anunciou há dias a identificação de dois suspeitos de organizarem os ataques. Porém, o paradeiro deles é desconhecido.

Ao mesmo grupo, as autoridades atribuem a autoria de dois homicídios e ferimentos, já no fim de novembro, noutras duas pessoas na localidade de Mitumbate, onde também foram destruídas 27 residências. 

Leia mais