Moçambique precisa de 94 milhões de euros para gerir deslocados | NOTÍCIAS | DW | 12.04.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Moçambique precisa de 94 milhões de euros para gerir deslocados

Segundo o Instituto Nacional de Gestão de Desastres, o Governo moçambicano precisa de 7 mil milhões de meticais para o plano de gestão dos deslocados dos ataques em Cabo Delgado.

O Governo moçambicano precisa de um total de 7 mil milhões de meticais (94 milhões de euros) para o plano de gestão dos deslocados devido à violência armada em Cabo Delgado, anunciou esta segunda-feira (12.04) o Instituto Nacional de Gestão de Desastres (INGD).

O valor vai servir para melhorar as condições de alimentação, abrigo e educação, bem como relançar o setor privado e incentivar pequenas atividades para geração de rendimento nas populações deslocadas, disse Luísa Meque, diretora geral do INGD, durante uma reunião com quadros do Governo e parceiros em Pemba, capital provincial de Cabo Delgado. 

Segundo a fonte, até ao momento, as autoridades têm assegurados cerca de 600 milhões de meticais [oito milhões de euros] para a implementação do plano, que integra várias ações estratégicas para assistência das populações afetadas.

Pemba é o principal destino

A cidade de Pemba, a capital de Cabo Delgado, tem sido o principal destino das populações que fogem dos ataques armados que começaram em 2017 em distritos mais a norte da província, albergando atualmente quase o dobro da sua capacidade.

A violência armada em Cabo Delgado começou há mais de três anos, mas ganhou uma nova escalada há duas semanas, quando grupos armados atacaram pela primeira vez a vila de Palma, que está a cerca de seis quilómetros dos multimilionários projetos de gás natural.

Os ataques provocaram dezenas de mortos e obrigaram à fuga de milhares de residentes de Palma, agravando uma crise humanitária que atinge cerca de 700 mil pessoas na província, desde o início do conflito, de acordo com dados das Nações Unidas.

Leia mais