Moçambique deve pagar ou não as dívidas ocultas? | Moçambique | DW | 30.11.2018

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Moçambique deve pagar ou não as dívidas ocultas?

Em Berlim, analistas moçambicanos e alemães debateram alternativas para o pagamento da dívida. Grupo Moçambicano da Dívida (GMD) alerta para efeitos sociais "drásticos" do endividamento.

Diskussion Schuldenkrise Mosambik

Palestrantes durante o evento em Berlim

Moçambique está a enfrentar efeitos drásticos da crise da dívida e quem está a arcar com os custos do endividamento é a população. Cortes no orçamento do Estado em gastos públicos estão a afetar áreas básicas. Diante deste cenário, analistas moçambicanos e alemães debateram nesta quinta-feira (29.11), na capital alemã, alternativas justas para o pagamento da dívida moçambicana.

Especialistas ouvidos pela DW África concordam que a alternativa viável, neste momento, é rejeitar as dívidas ocultas contraídas sem aval do Parlamento. Segundo Eufrigínia dos Reis Manoela, membro do Grupo Moçambicano da Dívida (GMD), a organização repudia "qualquer responsabilidade do Governo para o pagamento destas dívidas".

"O Governo está a tomar medidas de restrição muito severas, retirando subsídios sociais em todas as áreas básicas. Já retirou o subsídio do pão para o pobre, que está proibido de comer o pão. O transporte tinha subsídio, que já foi retirado. Está-se a atacar justamente aquelas áreas que dizem respeitos à sobrevivência mínima", disse a coordenadora do GMD.

Quais alternativas?

Kristina Rehbein Erlassjahr.de

Kristina Rehbein, da organização alemã erlassjahr.de

Para Kristina Rehbein, membro da organização alemã erlassjahr.de, que reúne mais de 600 instituições políticas, religiosas e da sociedade civil alemã, as dívidas moçambicanas devem ser rejeitadas sob o argumento de que foram contraídas ilegalmente.

"É possível rejeitar estas dívidas de outra maneira: considerando-as ilegítimas. Primeiro, porque os créditos não beneficiam a sociedade civil. Segundo, porque elas também não foram obtidas democraticamente, com aval do Parlamento ou da população".

Dados apresentados pelo GMD durante o evento em Berlim apontam que a dívida pública externa total de Moçambique cresceu exponencialmente entre 2014 e 2017. E a situação agravou-se com as dívidas ocultas, considera o GMD. "Neste momento, o endividamento do país é impagável. Nem que a gente produza daqui a dez, vinte ou trinta anos. É impagável, a situação está muito crítica", acrescentou a coordenadora do GMD.

Por outro lado, Eufrigínia dos Reis Manoela acredita que a alternativa de indexar receitas do gás para o pagamento da dívida, a partir de 2019, não servirá às necessidades básicas do país, que passará apenas a "exportar" as receitas. "Para nós, do ponto de vista económico e social, é um erro muito grande do Governo", explicou.

CreditSuisse e VTB Bank

Ouvir o áudio 03:36

Moçambique deve pagar ou não as dívidas ocultas?

No âmbito da reestruturação da dívida da Empresa Moçambicana de Atum (EMATUM),  por exemplo, o Estado moçambicano foi chamado a prestar contas por ter assumido a dívida da empresa, perante da incapacidade de ela a pagar.

O papel dos bancos CreditSuisse e VTB Bank, da Rússia, já foi questionado por terem concedido empréstimos sem terem a informação necessária sobre os riscos. Segundo Eufrigínia dos Reis Manoela, do GMD, é preciso mais colaboração internacional para também responsabilizar os bancos envolvidos."A investigação nestes países [onde estão os bancos] deve colaborar no sentido de fornecer a informação, para poderem também criminalizar".

Para a coordenadora do GMD, o Governo moçambicano já está a se abrir para investigações, "a Procuradoria-Geral da República é a instituição que pode, por direito, seguir os trâmites legais. Mas, neste momento, não pode agir sozinha porque precisa de informações de fora - dos países que têm esses bancos - e que, entretanto, não estão a colaborar".

Colaboração internacional

Eufrigínia dos Reis Manoela insiste na colaboração internacional para evitar que apenas a população moçambicana pague os custos do endividamento do país: "Esta é uma posição que neste momento está na mesa do conselho constitucional [do GMD]. Nós continuamos a fazer uma advocacia muito forte e esta é uma das razões pelas quais estou aqui, na Alemanha. Para buscar mais solidariedade internacional e para que os países onde estão estes bancos também sejam responsabilizados".

Diskussion Schuldenkrise Mosambik

Público na sede do jornal alemão TAZ, em Berlim

Além do GMD, participou do evento em Berlim o agrônomo moçambicano Felisberto Baûque, da organização ASDA. Ele chamou atenção para os efeitos negativos do endividamento de Moçambique para a agricultura e para o setor familiar, ao passo em que se reduzem investimentos internos para pagar os credores. "A dívida tem um efeito bastante forte no setor produtivo e o setor familiar não dispõe de meios. Na situação em que o país está, a situação para a produção torna-se ainda mais grave", explicou.

"O setor familiar carece de insumos agrícolas. Ressalte-se que as famílias já não têm capital para comprar, por exemplo, fertilizantes e pesticidas. E ainda há a dificuldade de obter tecnologias. As condições impostas para aquisição de créditos são insustentáveis para o setor familiar", acrescentou o agrônomo.

O evento "Crise da Dívida em Moçambique: Desenvolvimento precisa de alívio da dívida - como criar iniciativas solidárias?" aconteceu na sede do periódico alemão TAZ. Foi uma cooperação das organizações alemãs Solidaritätsdienst International (SODI), erlassjahr.de e Fundação Rosa Luxemburgo, com o apoio financeiro da União Europeia.

 

Leia mais