Moçambique: Centenas marcham contra lixeiras a céu aberto | NOTÍCIAS | DW | 30.06.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Moçambique: Centenas marcham contra lixeiras a céu aberto

"Não às lixeiras a céu aberto, sim aos aterros sanitários" foram as palavras de ordem da marcha deste sábado (30.06), em Maputo, contra um "problema nacional". Participantes lembraram vítimas da tragédia de Hulene.

O objetivo da marcha, promovida pela organização não governamental Livaningo, era sensibilizar o Governo para adotar políticas que garantam uma gestão sustentável dos resíduos sólidos.

Segundo esta organização virada para a advocacia e educação ambiental, desenvolvimento sustentável e justiça social, todos os municípios em Moçambique fazem o depósito de resíduos sólidos em lixeiras de céu aberto.

"Este é um problema nacional. Por isso, o nosso apelo é para que o Governo resolva o problema em todo o país", disse à DW África Alves Talala, gestor de programas de governação ambiental urbana da Livaningo.

Alves Talala explicou que uma das consequências desta prática é a poluição ambiental, que, para além de afetar a saúde pública, contribui para a degradação imediata e futura da vida das pessoas que vivem ao redor desses locais.

Hulene ainda presente

Mosambik, Maputo, Protest gegen Mülldeponien (DW/L.Matias)

Nera Marcelino, uma das participantes, junto a cartazes que recordam vítimas da tragédia de Hulene.

Os manifestantes percorreram várias artérias da cidade até à Praça da Independência, empunhando faixas e cartazes com slogans como "são 17 anos de apelos e promessas que resultaram hoje numa tragédia".

Este dístico fazia alusão ao desabamento de uma lixeira no bairro do Hulene, em Maputo, no passado dia 19 de fevereiro, que causou 17 mortos, cinco feridos e destruiu várias habitações.

Uma das participantes na marcha, Amélia Carlos, disse que ainda guarda na memória os momentos vividos naquela tragédia em que perdeu amigas e conhecidos. "Foi muito triste. O que pedimos ao Governo é que retire a lixeira, porque lá não se está a viver condignamente, devido ao cheiro e às moscas", afirmou Amélia Carlos, residente do Hulene.

Por seu turno, Nera Rupia, residente no Bairro do Ferroviário, que acolheu as vítimas da tragédia, lamentou, igualmente, que o Governo não esteja a cumprir com a promessa de retirar a lixeira do Hulene. "O Governo havia dito depois da tragédia de Hulene que dentro de dois meses iria encerrar a lixeira, mas, até agora, não há nenhum avanço", explicou Alves Talala, acrescentando que "a construção do novo aterro sanitário, em Mathemele, também está parado".

Talala lembrou ainda que o Governo prometeu reassentar num período de três meses as pessoas afetadas pela tragédia "com todas as condições de vida", mas não há nenhum avanço.

Marracuene não quer lixeira

Mosambik, Maputo, Protest gegen Mülldeponien

Vasco Axá, ambientalista residente em Marracuene.

Um dos objetivos da marcha era precisamente manifestar solidariedade para com as vítimas da lixeira de Hulene e exigir ao Executivo maior celeridade e transparência no processo de transferência das famílias afetadas.

As autoridades admitem a possibilidade de transferir a lixeira de Hulene para o distrito de Marracuene. Porém, os residentes dizem que não aceitam esta transferência e adiantam que manifestaram a sua posição ao Governo há 90 dias, estando ainda a aguardar resposta. 

Vasco Axá, ambientalista residente em Marracuene, lamenta que as comunidades não estejam a ser envolvidas na adopção de políticas sobre a gestão dos resíduos sólidos e acusa o Governo de trabalhar sozinho.

Vasco Axá defende a disseminação de boas práticas e ainda a sensibilização das comunidades sobre o saneamento do meio ambiente, e como gerir os resíduos sólidos, tendo em conta que metade do lixo em Moçambique é biodegradável. 

Mas, para Alves Talala, da Livaningo, enquanto "o Governo não começar a levar a sério a questão da construção de aterros sanitários, podemos ter mais vítimas".

Leia mais