1. Ir para o conteúdo
  2. Ir para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
 Mali, Gao: Vor Präsidentenwahl in Mali
Foto: picture-alliance/dpa/T. Bindra

Suspeitos jihadistas matam 12 civis no Mali

AFP
6 de agosto de 2022

Pelo menos 12 civis foram mortos no Mali por presumíveis jihadistas que atraíram vítimas para um atentado à bomba. Dezenas deixaram as suas casas em Ouakan para se refugiarem nas aldeias vizinhas neste sábado.

https://p.dw.com/p/4FDTS

Pelo menos 12 civis foram mortos no Mali por alegados jihadistas que atraíram vítimas para um atentado à bomba, segundo disseram funcionários e uma fonte da polícia neste sábado.

"Os jihadistas mataram primeiro dois civis em Ouakan (uma cidade próxima ao centro do Mali) antes de manipularem os seus corpos com explosivos", disse à AFP um funcionário eleito de uma cidade próxima, sob condição de anonimato.

"Quando os pais e familiares dos mortos vieram à procura dos corpos, houve uma explosão e pelo menos dez outras pessoas foram mortas", disse.

Outro funcionário confirmou os relatos do ataque de sexta-feira, dizendo que "vários outros civis estão atualmente desaparecidos em Ouakan".

Como vai ficar o combate ao terrorismo no Sahel?

Jihadistas

"Os corpos dos dois civis foram manipulados pelos jihadistas", disse o funcionário. "Explodiram quando os seus pais e familiares vieram à procura dos dois corpos - há pelo menos uma dúzia de mortos".

Neste sábado, dezenas de civis de Ouakan deixaram as suas casas para se refugiarem nas aldeias vizinhas, temendo novos ataques, disseram várias testemunhas à AFP.

Um funcionário da polícia regional disse à AFP "estão a ser tomadas medidas para garantir a segurança da população local" e que seriam postas em prática a partir de hoje.

"Os jihadistas estão a utilizar cada vez mais métodos criminosos", prosseguiu ele. "Eles manipularam corpos em Ouakan, que mais tarde foram rebentados".

O Mali, epicentro de uma sangrenta campanha jihadista de 10 anos em toda a região, sofreu golpes em agosto de 2020 e maio de 2021, o que culminou numa crise política e de segurança.

Saltar a secção Mais sobre este tema
Saltar a secção Conteúdo relacionado