Jair Bolsonaro será o próximo Presidente do Brasil | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 29.10.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Jair Bolsonaro será o próximo Presidente do Brasil

Depois de receber a notícia da vitória na segunda volta das presidenciais, Jair Bolsonaro prometeu trabalhar para "todos os brasileiros". Mas o Brasil está dividido.

O candidato de extrema-direita Jair Bolsonaro foi eleito como Presidente do Brasil com 55,15% dos votos, enquanto o rival Fernando Haddad se ficou pelos 44,85% na segunda volta.

Na sua casa do Rio de Janeiro, rodeado dos familiares mais próximos, Bolsonaro apelou à união, sublinhando que será o Presidente de todos os brasileiros.

"Ofereço um governo decente, que trabalhará para todos os brasileiros", afirmou o candidato do Partido Social Liberal. "Meu governo será defensor da Constituição, da democracia e da liberdade. Não é a promessa de um partido, é um juramento a Deus."

Brasilien, Jair Bolsonaro gewinnt Präsidentschaftswahl (picture-alliance/dpa/L.Correa)

Apoiantes de Bolsonaro festejam vitória do candidato presidencial no Rio de Janeiro

"O povo falou"

Milhares de apoiantes de Bolsonaro foram para as ruas do Rio de Janeiro, festejar a vitória, de bandeira brasileira na mão e lançando fogo-de-artifício. "As pessoas estão indignadas com a corrupção e o crime. O povo falou", disse um dos simpatizantes do Presidente eleito que foram para a rua, mostrar o seu apoio.

Bolsonaro conseguiu mobilizar muitos eleitores brasileiros que estão desapontados com a situação económica no país e com os escândalos de corrupção envolvendo altos dirigentes políticos, incluindo o ex-Presidente Lula da Silva, condenado a doze anos de prisão por corrupção passiva e branqueamento de capitais.

Capitão do exército reformado e defensor da ditadura militar, vigente no Brasil entre 1964 e 1985, Bolsonaro prometeu, se fosse eleito, reforçar a segurança nas ruas, facilitar o acesso da população às armas e evitar que agentes policiais que disparem em suspeitos sejam alvo de processos criminais. O político de 63 anos já foi condenado por injúria e apologia ao crime de violação, depois de afirmar publicamente que uma colega parlamentar não merecia ser violada porque era muito feia. Foi ainda acusado de racismo.

Ouvir o áudio 03:58

Jair Bolsonaro será o próximo Presidente do Brasil

Segundo a Amnistia Internacional, a eleição de Bolsonaro, "representa um enorme risco para os povos indígenas e quilombolas, comunidades rurais tradicionais, pessoas LGBTI, jovens negros, mulheres, ativistas e organizações da sociedade civil, se a sua retórica se transformar em política pública".

Brasil está dividido

Enquanto os apoiantes de Bolsonaro festejavam, os simpatizantes de Fernando Haddad, o candidato do Partido dos Trabalhadores, abanavam a cabeça, em sinal de desaprovação.

Haddad encorajou, este domingo (29.10), todos os que não votaram em Bolsonaro a lutar pelos seus direitos, exigindo respeito à "parte expressiva do povo brasileiro" que discorda do Presidente eleito.

"Temos uma tarefa enorme no país que é, em nome da democracia, defender o pensamento, defender as liberdades desses 45 milhões de brasileiros que nos acompanharam até aqui", afirmou. "Não tenham medo. Nós estaremos aqui. Nós estamos juntos. Nós estaremos de mãos dadas com vocês. Nós abraçaremos a causa de vocês! Contem conosco! Coragem! A vida é feita de coragem! Viva o Brasil!"

Haddad não felicitou Bolsonaro pela vitória. Entretanto, na rede social Twitter, a hashtag #PrayForBrazil (rezem pelo Brasil) tornou-se viral, tendo já sido usada em dezenas de milhares de publicações de cidadãos brasileiros e estrangeiros, preocupados com a eleição de Bolsonaro.

Bolsonaro sucede a Michel Temer como Presidente da República e assumirá o cargo a 1 de janeiro de 2019.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados