Guiné-Bissau: Sissoco Embaló quer interferir nos assuntos internos do PAIGC? | Guiné-Bissau | DW | 26.01.2022

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Guiné-Bissau

Guiné-Bissau: Sissoco Embaló quer interferir nos assuntos internos do PAIGC?

Na Guiné-Bissau, a situação política adensa-se depois de o PR ter dito que não irá nomear Domingos Simões Pereira primeiro-ministro. Analista considera que há uma interferência de Embaló nos assuntos internos do PAIGC.

A atualidade política guineense está a ser marcada pela denúncia do deputado do Movimento para Alternância Democrática (MADEM-G15), Manuel Nascimento Lopes ("Manelinho"), sobre uma alegada ameaça à sua integridade física.

"Um telefonema anónimo para me ameaçar é uma vã tentativa de me amedrontar. Estou tranquilo na minha casa e que ninguém se preocupe com isso", escreveu esta terça-feira (25.01) o parlamentar na sua página no Facebook. O deputado não disse, contudo, de quem terão partido as ameaças.

Num contexto de muita movimentação política, com vários partidos a realizar congressos, enquanto outros traçam o plano para as legislativas do próximo ano, o Presidente da República, Umaro Sissoco Embaló, deu início, na semana passada, em Quinhamel, na região de Biombo, norte da Guiné-Bissau, a uma série de visitas à população do interior do país, com muita "pompa e circunstância".

Deputado Manuel Nascimento Lopes (Manelinho) denunciou uma alegada ameaça à sua integridade física

Deputado Manuel Nascimento Lopes denunciou uma alegada ameaça à sua integridade física

"Visitas de Estado"

Embaló chama a essas deslocações "visitas de Estado", mas a designação não está a reunir consenso. 

"A visita de Estado acontece nas deslocações externas [do chefe de Estado], nas deslocações aos outros países, e não propriamente numa deslocação feita no território nacional. O que aconteceu na deslocação do chefe de Estado a Quinhamel trata-se de uma presidência aberta ou de uma visita normal", explica à DW África o jurista Luis Landim.

Umaro Sissoco Embaló é acompanhado nestas visitas pelo ministro do Interior, Botche Candé, líder do recém-criado Partido dos Trabalhadores Guineenses (PTG). Embaló tem sido associado à nova formação política, mas negou sempre essas afirmações.

Polémica com Domingos Simões Pereira

Entretanto, Sissoco Embaló despoletou um novo debate político na Guiné-Bissau, ao fazer a seguinte afirmação: "Por razões constitucionais não posso nomear Domingos Simões Pereira primeiro-ministro e nem ministro, porque ele disse que eu não ganhei eleições. Por questão de coerência não penso que podemos coabitar. Mesmo que ele seja presidente [reeleito] do PAIGC não sei se vou nomear o PAIGC no governo, mesmo que vença eleições com 102 deputados."

Prontamente, o líder do PAIGC reagiu às declarações do Presidente da República, sem nunca mencionar o nome do chefe de Estado.

Numa comunicação aos militantes do partido, na passada quinta-feira, (20.01), por ocasião do Dia dos Heróis Nacionais, Domingos Simões Pereira deixou um aviso.

Líder do PAIGC reagiu às declarações de Sissoco Embaló, sem nunca mencionar o nome do chefe de Estado

Líder do PAIGC reagiu às declarações de Sissoco Embaló, sem nunca mencionar o nome do chefe de Estado

"Não haverá ninguém e nenhuma força, por qualquer que seja a motivação que tenha, não terá mais condições, na Guiné-Bissau, de impedir ao PAIGC de exercer a competência e responsabilidade que o povo guineense lhe atribui."

"Atitude antidemocrática"

O analista político Jamel Handem considera que há uma interferência de Umaro Sissoco Embaló nos assuntos internos do PAIGC.

"As declarações do Presidente da República demonstram uma clara intenção de interferir e perturbar a realização do próximo congresso do PAIGC e ao mesmo tempo, revela a sua atitude antidemocrática, aversão a Domingos Simões Pereira e a sua intolerância para com os adversários políticos", explica.

Handem prevê consequências políticas nocivas em virtude das declarações do chefe de Estado. "Fica claro que ele [Umaro Sissoco Embaló] não vai respeitar a Constituição da República, em caso da vitória do PAIGC, nas próximas eleições legislativas. Em consequência, estamos a caminhar para o aprofundamento da crise política e da ilegalidade no país".

Depois do congresso do Partido da Renovação Social (PRS), no qual Alberto Nambeia foi reconduzido para um terceiro mandato, o PAIGC marcou a sua reunião magna para 17 a 20 de fevereiro próximo. O líder cessante, Domingos Simões Pereira, tem o aval do Comité Central dos "libertadores" para avançar para o terceiro mandato consecutivo.

Assistir ao vídeo 07:43

Do pós-eleições ao avião "suspeito": Guiné-Bissau de crise em crise

Leia mais