1. Ir para o conteúdo
  2. Ir para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Depois do ataque ao palácio governamental, soldados foram para as ruas de BissauFoto: Stringer/REUTERS
Estado de DireitoGuiné-Bissau

Bissau: Cartéis de droga por detrás da tentativa de golpe?

António Cascais
4 de fevereiro de 2022

Ainda não está claro quem está por detrás da tentativa de golpe de Estado na Guiné-Bissau. O PR afirma que os golpistas queriam acabar com a sua luta contra o tráfico de droga. Mas e quanto ao papel da elite política?

https://p.dw.com/p/46VCj

"Foi um ataque a sangue frio. E os perpetradores, certamente, não eram membros das nossas Forças Armadas. Eram antes pessoas do submundo, que queriam impedir a minha luta contra o tráfico internacional de droga".

Estas foram as palavras do Presidente da Guiné-Bissau, Umaro Sissoco Embaló, falando a jornalistas, na terça-feira (01.02) à noite. Poucas horas antes, um sangrento tiroteio teve lugar nos edifícios do Governo, seguido de um cerco de horas no complexo que alberga não só a residência oficial do chefe do Governo, mas também todos os ministérios do país.

Indivíduos desconhecidos também dispararam tiros, alegadamente, com bazucas. 11 agentes de segurança foram mortos - todos eles membros da guarda presidencial.

Embaló - ele próprio um antigo general - pareceu sereno e determinado durante todo o seu discurso.

"Os perpetradores eram certamente assassinos financiados pela máfia da droga", repetiu em várias ocasiões - apesar de insistir que não queria tirar quaisquer conclusões precipitadas na investigação em curso.

Acima de tudo, salientou que o Governo foi capaz de repelir o ataque e que a situação estava sob controlo.

"Suspeitos de narcotráfico" por trás da tentativa de golpe

Dúvidas sobre a versão apresentada pelo Presidente

Epifania Fernandes, jornalista do jornal independente O Democrata, foi testemunha do ataque. Tinha ido ao Palácio do Governo na terça-feira de manhã para acompanhar uma reunião do gabinete quando de repente ouviu bazucas.

"Dentro do edifício do Governo, todos entraram em pânico", disse a jornalista à DW. "Depois ouvimos muitos tiros de pistola. Corri de corredor em corredor, de ministério em ministério, e finalmente escondi-me numa casa de banho. Só depois de mais de cinco horas, às 17 horas, pude sentir-me tranquila de que tudo tinha acabado e que podíamos deixar o edifício do Governo. Estávamos todos em estado de choque".

Fernandes continuou a descrever os perpetradores que viu: "Quer tenham sido homens pagos pelos senhores da droga ou soldados, não posso dizer com certeza. No entanto, vi várias pessoas armadas com roupas civis que não eram reconhecíveis - pelo menos externamente - como soldados".

Domingos Simões Pereira, chefe do maior partido da oposição na Guiné-Bissau, o Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), disse à DW que não seria "aconselhável" alinhar com a explicação simplista do Presidente.

Guinea-Bissau | Kampf gegen Drogen
Parte de uma remessa de cocaína apreendida na Guiné-Bissau, em 2012Foto: ISSOUF SANOGO/AFP/Getty Images

"[Embaló] apresenta-se como um combatente contra a máfia da droga a fim de levar a comunidade internacional à complacência", disse Pereira. "Mas os cidadãos da Guiné-Bissau querem saber o que está realmente por detrás desta alegada tentativa de golpe. Quem foram as pessoas que levaram a cabo este golpe de Estado? Quantos foram? Quem estava no seu comando? Quais eram os seus verdadeiros objetivos"?

O Presidente não respondeu até agora a nenhuma destas perguntas, disse Pereira, acrescentando que alguns observadores estão a especular abertamente que o próprio Embaló pode ter encenado o golpe.

"Tal golpe seria um pretexto ideal para intensificar a sua purga de críticos internos e figuras da oposição", disse Pereira.

Nas mãos dos cartéis da droga

Não há atualmente provas que sustentem a teoria de que a máfia da droga tenha encomendado o ataque. No entanto, esta teoria também não pode ser descartada por completo: a Guiné-Bissau é considerada um centro importante para o tráfico de droga - especialmente para a cocaína.

Desde que conseguiu a independência de Portugal, em 1974, o país da África Ocidental sofreu nove golpes e tentativas de golpes, bem como vários assassinatos políticos. Alguns destes foram na realidade atribuídos a cartéis de droga, que têm tido um controlo firme sobre o país desde 2005.

Infografik Kokain Route PT

De acordo com o Gabinete das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC), a Guiné-Bissau é agora uma das mais importantes portas de entrada da cocaína vinda da América do Sul para a Europa.

"O crime organizado fará o que quiser na Guiné-Bissau", disse Calvario Ahukharie, o antigo chefe da Interpol na Guiné-Bissau, à DW. Ele conta que a luta contra os cartéis era praticamente impossível de vencer, uma vez que se diz que muitos estão em conluio com oficiais militares e políticos.

"Os senhores da droga da América do Sul entram e saem do nosso país quando e como quiserem", disse Ahukharie. "Eles subjugam os políticos. Eles são os verdadeiros governantes do nosso país".

Uma porta de entrada para o comércio da droga

Segundo Ahukharie, grandes quantidades de drogas foram casualmente contrabandeadas para o país em grandes navios, dentro de pacotes com peso até 200 quilos. O Governo da Guiné-Bissau, diz ele, deixará provavelmente esta máfia da droga em paz e deixá-los-á reinar como bem entenderem.

Em troca, as elites políticas serão pagas - com dinheiro ou mesmo com drogas.

"Os senhores da droga sentem-se bem em casa na Guiné-Bissau, como se estivessem no paraíso", disse Ahukharie.

A Guiné-Bissau começou a sua transformação num narco-Estado em 2005, quando o Presidente de longa data João Bernardo "Nino" Vieira - que tinha governado o país com mão de ferro de 1980 a 1999 - foi reeleito após ter regressado de seis anos de exílio em Portugal.

Vieira permitiu que a máfia da droga colombiana apreendesse o país. As numerosas ilhas da Guiné-Bissau, que eram praticamente incontroladas pelo Estado, foram utilizadas como estação para trazer cocaína da América do Sul a caminho da Europa.

Os senhores da droga não tinham nada a temer de Vieira, disse Ahukharie: "Pelo contrário, Vieira abriu o caminho para que os cartéis da droga tivessem um reinado livre, e em troca ele recebeu uma parte dos seus lucros".

Mas, em pouco tempo, Vieira entrou em conflito com os seus rivais no seu próprio exército. E, em março de 2009, foi assassinado pelos seus soldados.

Infografik Kokain Beschlagnahme Westafrika PT

Militares em conluio com cartéis

Após a morte de Vieira, o negócio do contrabando de droga continuou a prosperar na Guiné-Bissau: em abril de 2013, o chefe da marinha, José Américo Bubo Na Tchuto, foi atraído para uma armadilha de inteligência montada por agentes da Agência de Combate à Droga dos EUA, que o prenderam no alto mar em águas internacionais, fazendo da sua extradição uma mera formalidade.

Bubo Na Tchuto forneceu às autoridades americanas informações importantes e nomes de intervenientes-chave no comércio. Foi consequentemente libertado da prisão logo após a sua condenação em tribunal, para que pudesse regressar à Guiné-Bissau.

Os observadores estão certos de que os bolsos do exército da Guiné-Bissau ainda estão a ser abastecidos pelo tráfico de droga. Mas alguns dos altos funcionários militares da Guiné-Bissau tornaram-se mais cautelosos, tentando passar desapercebidos.

Na sequência da recente tentativa de golpe, um nome continua a surgir repetidamente: Bubo Na Tchuto - apesar de já não estar ativo no exército.

O que tem duas asas e não quer voar?

Um avião estacionado no aeroporto da capital, Bissau, desde outubro de 2020 tem sido objeto de muita discussão nos últimos meses - especialmente no que diz respeito ao estado de corrupção e colaboração ativa entre funcionários governamentais, militares e cartéis de droga.

As autoridades competentes não sabem quem é o proprietário do avião Airbus 340, nem o que transportava quando aterrou no aeroporto. As investigações sobre este misterioso estado de coisas têm sido repetidamente adiadas ou evitadas.

O Presidente Sissoco Embaló, no entanto, ainda se considera como um combatente empenhado contra o tráfico internacional de droga. Recusa-se a estabelecer qualquer ligação entre o avião em fuga e os cartéis de droga que operam no seu país.

Guinea-Bissau | Kampf gegen Drogen
Como chefe da Interpol, em 2012, Ahukharie mostra fotos de soldados a descarregar cocaínaFoto: ZUMA Wire/imago images

A posição de Embaló tem causado muita indignação, não só entre a oposição e a sociedade civil, mas também no seu próprio Governo.

"Não tenho a certeza se este Presidente tem realmente o que é preciso para se tornar um líder na luta contra os cartéis da droga no país", disse Simões Pereira, o líder da oposição. "Também temos informações sobre o movimento de barcos nas nossas águas territoriais para os quais não existem explicações plausíveis".

Golpe de Estado ou golpe de misericórdia?

Domingos Simões Pereira pode não ser tão inocente como aparenta ser: ele e o seu próprio partido foram também repetidamente acusados de terem ligações aos cartéis de droga que operam na Guiné-Bissau - e muito abertamente.

Ainda assim, Simões Pereira tem reiterado os seus apelos à comunidade internacional para não aceitar as "declarações simplistas" do Presidente em torno da tentativa de golpe.

Quer Domingos Simões Pereira esteja envolvido no tráfico de droga ou não, a sua mensagem parece ter caído em orelhas mortas: a Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) parece concordar com a versão dos acontecimentos do Presidente - pelo menos por agora - e elogiou os esforços de Embaló contra as máfias da droga.

A comunidade internacional apenas condenou a tentativa de golpe pelo que é: uma tentativa de tomada do poder sem passar por processos democráticos. Não houve qualquer menção às guerras da droga sul-americanas a serem travadas em solo africano. Pelo menos ainda não.

Braima Darame contribuiu para este artigo.

Preocupação em Bissau após tentativa de golpe de Estado

Saltar a secção Mais sobre este tema