Governo moçambicano na Beira para avaliar impacto de ciclone | Moçambique | DW | 19.03.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Governo moçambicano na Beira para avaliar impacto de ciclone

Conselho de Ministros realiza-se esta terça-feira na cidade da Beira, devastada pelo ciclone Idai. Há registo de mais de 84 mortos, mas tudo indica que poderá haver "mais de mil óbitos", disse o Presidente Filipe Nyusi.

Ciclone destruiu 90% da segunda maior cidade de Moçambique

Ciclone destruiu 90% da segunda maior cidade de Moçambique

A situação em Moçambique é grave e tende a piorar. O ciclone que atingiu o centro do país, na noite da passada quinta-feira (14.03), deixou um rasto de destruição no centro do país. Com o passar dos dias, as consequências são cada vez mais visíveis e preocupantes.

"Até ao momento, formalmente, há registo de acima de 84 óbitos, mas tudo indica que poderemos registar mais de mil óbitos", afirmou esta segunda-feira (18.03) o Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, num discurso dirigido à nação, assinalando que "o país vive um verdadeiro desastre humanitário de grandes proporções".

Assistir ao vídeo 01:12

Ciclone Idai devasta cidade da Beira

O Presidente deixou claro que a prioridade do Governo é, neste momento, salvar vidas. A FRELIMO, o partido no poder, adiou a reunião do seu Comité Central. O Governo anunciou também que o Conselho de Ministros desta terça-feira vai ter lugar na cidade da Beira, para que se possa avaliar a situação na região do país mais afetada pelo ciclone - parte dos cerca de 500 mil habitantes da Beira continuam ainda sem energia e linhas de comunicação.

Equipas das Nações Unidas e Cruz Vermelha estão no terreno desde o fim de semana. Karin Manente, representante do Programa Mundial de Alimentação da ONU em Moçambique, garantiu à ONU News que a ajuda tem estado a chegar à população. "A Organização Internacional para as Migrações (OMI) e o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) estão já a proporcionar abrigo e medicamentos e a Cruz Vermelha e várias organizações não-governamentais estão muito ativas. Esse trabalho está a ser feito", garante.

Comida não chega

Segundo a ONU, cerca de 22 mil pessoas encontram-se em áreas de difícil acesso. Julia Luís reside em Inhamizua, uma vila perto da cidade da Beira, e encontra-se neste momento num centro de acomodação, onde a comida não é suficiente. "Aqui não há comida. É um problema, nós não temos nada. A noite passada, não comemos", lamenta.

Ouvir o áudio 03:49

Governo moçambicano na Beira para avaliar impacto de ciclone

O Programa Mundial de Alimentação das Nações Unidas pediu 35 milhões de euros para ajudar as vítimas do ciclone. No entanto, diz a representante deste organismo em Moçambique, haverá necessidade de mais recursos para fazer frente "à segunda leva de cheias que está a assolar o centro do país".

Uma preocupação também levantada por Alberto Mondlane, governador da província de Sofala. "A maior ameaça agora, mais do que a do próprio ciclone, é a água. Porque a montante está a chover e as bacias hidrográficas estão a aumentar o seu nível. Nós estamos na zona baixa, significa que todas as águas vêm para cá", lembra.

Ajuda humanitária

Nas últimas horas, têm sido divulgadas algumas ajudas. A Cáritas Portuguesa e o Governo de Espanha, por exemplo, anunciaram que irão disponibilizar verbas para o apoio humanitário às vítimas deste desastre natural. Também o Governo português garantiu já estar em contacto com o Ministério do Interior de Moçambique.

A Índia anunciou também que vai enviar três navios com ajuda humanitária para a cidade da Beira. Segundo um comunicado divulgado na página oficial do Ministério dos Negócios Estrangeiros indiano, os três navios, que devem chegar esta quinta-feira (21.03), irão carregados de "alimentos, roupa e medicamentos". Além disso, a bordo vão estar "três médicos e cinco enfermeiros para prestar assistência médica imediata", indicou a mesma nota.

Entretanto, nas redes sociais, são já vários os apelos e angariações de fundos organizados pelos próprios moçambicanos para ajudar as vítimas do ciclone Idai. Também a LAM - Linhas Aéreas de Moçambique - lançou uma campanha solidária de recolha de bens de primeira necessidade.

Aos quatro helicópteros já no terreno, juntaram-se ontem outros dois, fez saber o Instituto Nacional de Gestão de Calamidades Naturais (INGC). Nesta fase, os meios aéreos são uma ajuda fulcral, não só nas operações de busca e resgate de pessoas, como também na distribuição de comida e medicamentos às pessoas que se encontram nas áreas de difícil acesso.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados