FRELIMO adia veredicto sobre Samora Machel Júnior | Moçambique | DW | 05.05.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

FRELIMO adia veredicto sobre Samora Machel Júnior

Surgimento de novos factos ditaram adiamento fez saber o partido no poder em Moçambique, que esteve reunido, este fim de semana, na Matola. FRELIMO voltou a distanciar-se dos casos de corrupção.

Reunido desde sexta-feira (03.05), na Matola, o Comité Central da FRELIMO decidiu, a pedido do Comité de Verificação do Partido, adiar o desfecho do caso Samora Machel Júnior, alegadamente devido ao surgimento de novos factos. Mas, não deverá ser tomada nenhuma decisão sobre o caso antes das próximas eleições gerais, agendadas para 15 de outubro.

Um quadro da FRELIMO disse à Lusa que o tema será debatido na próxima reunião do Comité Central, que se vai realizar após as eleições. 

Samora Machel Júnior está a ser acusado de violar os estatutos do partido, depois de ter tentado concorrer nas últimas eleições autárquicas na cidade de Maputo como cabeça de lista da AJUDEM (Associação para o Desenvolvimento Juvenil de Moçambique).

Mosambik Maputo - Samora Machel Jr, Sohn von Samora Machel, ehemaliger Präsident von Mosambik (Ferhat Momade)

Samora Machel Júnior é acusado de violar os estatutos da FRELIMO

O filho do primeiro Presidente de Moçambique nega a acusação, afirmando que aceitou o convite da AJUDEM por ter sido excluído do processo pelo partido sem nenhuma explicação.

Na Matola, durante o encontro deste fim de semana, o Presidente da FRELIMO, Filipe Nyusi,  destacou,  entre as deliberações do Comité Central, a necessidade de intensificação da formação político-ideológica dos membros do partido.

 "A formação ideológica permite reforçar os valores da disciplina que é o princípio de lealdade concreta e incondicional ao Partido. Na sessão da Matola, vincamos a necessidade de observância dos princípios de isenção, imparcialidade, independência, discernimento e agir em estreito respeito dos estatutos, dos regulamentos e diretivas do partido a todos os níveis", disse.

Vitória da FRELIMO

Discursando no encerramento da sessão, este domingo (05.05), Filipe Nyusi definiu este encontro como o início da marcha da FRELIMO para a vitória nas próximas eleições gerais, ou seja, para mais um mandato na Presidência da República, para o aumento do número de assentos no Parlamento e nas Assembleias Provinciais e para a governação em todas as províncias. 

Mosambik Filipe Nyusi (DW/B. Jequete)

Presidente Filipe Nyusi

De acordo com Nyusi, a visão do partido para o próximo ciclo de governação assenta em três pilares: desenvolvimento do capital humano; emprego, produtividade e competitividade; e desenvolvimento de infraestruturas económicas e sociais. O presidente acrescentou: "Estas prioridades serão sustentadas por dois pilares, nomeadamente,  Estado de direito, boa governação e consolidação de descentralização governativa, ambiente macroeconómico equilibrado e sustentável e uso de receitas de recursos naturais para financiar, principalmente, a transformação e modernização da agricultura e do turismo".     

Em declarações à imprensa, o porta-voz do encontro, Caifadine Manasse, afirma que a sessão foi marcada por um debate aberto, franco e, acima de tudo, incisivo.

Segundo o porta-voz deste encontro, a FRELIMO sai desta sessão do Comité Central "mais coesa, mais forte e unida, olhando para aquilo que são os pressupostos e o foco que o nosso partido tem que é vencer as eleições".

"Nyusi sai mais reforçado”

A III Sessão Ordinária do Comité Central da FRELIMO foi marcada pela consagração da recandidatura de Filipe Nysi a mais um mandato na Presidência da República. "O camarada Filipe Nyusi sai mais reforçado, com mais confiança", afirmou o porta-voz Caifadine Manasse.

Mosambik - Wahlen in Marromeu (DW/Arcénio Sebastião)

Moçambique vai a votos no próximo dia 15 de outubro.

Outro dos temas que mereceu a atenção do encontro está relacionado com a corrupção, numa altura em que estão a ser acusados e julgados alguns membros do partido no poder.

Combate à corrupção

Sobre este tema, Filipe Nyusi afirmou que a corrupção continua um desafio por combater no país e defendeu uma resposta no quadro do estado de direito. "Ainda subsistem desafios na transformação da nossa economia e combate à corrupção",disse.

Sobre este assunto, Caifadine Manasse voltou a frisar que a FRELIMO se distancia de qualquer tipo de corrupção e sublinhou que os membros do partido têm que ser exemplares. Segundo Caifadine, "aqueles que têm algum problema legal, e que estão a ser ouvidos por corrupção, têm a obrigação de provar o contrário, porque nós somos pela separação e interdependência de poderes. Nós somos um partido político. Há órgãos de justiça, esses órgãos têm o direito e o dever de fazer o seu trabalho", disse.

O combate à corrupção em Moçambique está na ordem do dia, com a detenção de várias figuras próximas da Frelimo, no âmbito do processo judicial sobre as chamadas dívidas ocultas e outros casos relacionados com o desvio de fundos públicos.

Leia mais