Falta vontade política para combater HIV/SIDA em Angola | NOTÍCIAS | DW | 13.05.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Falta vontade política para combater HIV/SIDA em Angola

Segundo a Rede Angolana das Organizações de Serviços de SIDA (ANASO), o país não tem fundos suficientes para lutar contra a doença. A falta de dinheiro compromete a campanha de prevenção.

A Rede Angolana das Organizações de Serviços de Sida (ANASO) revela que a falta de vontade política está a contribuir para a redução do compromisso de Estado em relação à luta contra a SIDA em Angola. O número de pessoas a viver com a doença continua a crescer no país.

Em declarações à DW África, António Coelho, secretário-executivo da ANASO, afirmA que o programa de combate ao HIV no país continua a depender de doadores internacionais, que estão a reduzir os apoios devido à classificação de "país de renda média" que Angola obteve, de acordo com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

Angola não tem fundos para lutar contra a doença e a falta de dinheiro compromete a campanha de prevenção, diz António Coelho. "O país tem estado a definir outras prioridades, as pessoas têm estado a definir outras preocupações, há o problema da fome, há grande carência fundamentalmente devido à crise social e financeira que o país tem estado a enfrentar. Por isso, entendemos que nessa altura as pessoas não estão muito preocupadas com a doença e com a saúde. Definiram outras prioridades, sentimos também que continua a faltar vontade política", conclui.

Ouvir o áudio 02:59

​Falta vontade política para combater HIV/SIDA em Angola

Em Angola, regista-se ainda pouca informação de como o cidadão deve lidar com a doença ou com o doente. O estigma é uma realidade no país que aprovou recentemente uma lei que criminaliza a descriminação.

O secretário-executivo diz que a maior parte dos angolanos não conhece a referida norma. Por outro lado, a imprensa já não aborda o assunto como anteriormente. "Sentimos que a comunicação social está a desistir um pouco do processo da luta contra a SIDA no país. Anteriormente tínhamos programas sobre sida na rádio, na televisão, tínhamos espaços sobre a sida nos diferentes jornais, quer semanários como diários. Hoje, infelizmente, esses espaços desapareceram", lamenta o ativista angolano.

500 mil pessoas com SIDA

Atualmente, existem em Angola perto de meio milhão de pessoas com HIV/SIDA. Desse número, 65% são mulheres. Quanto à idade, 60% dos jovens de 15 a 24 anos são portadores da doença.

Ainda assim, assiste-se uma redução das ações de prevenção. De acordo com António Coelho Angola depara-se com graves problemas na distribuição dos antirretrovirais. "Assistimos a rupturas, a disponibilidade também está comprometida. A cobertura do tratamento é baixa, representa 25%, por razões relacionadas com a crise, e a taxa de abandono é bastante elevada. Andamos na ordem dos 55%", revela.

Apesar das dificuldades, a Rede Angolana das Organizações de Serviços de SIDA continua a promover diferentes campanhas de sensibilização.

Outra preocupação da associação é a contaminação dolosa: a ANASO regista 14 queixas por dias. "É uma situação que nos está a preocupar. O país tem estado a tentar fazer esforços no sentido de promover ações de prevenção, e neste caso, entendemos que a contaminação dolosa tem estado a comprometer todos os esforços de prevenção", frisa o secretário.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados