Falta de eletricidade dificulta vida em Luanda | NOTÍCIAS | DW | 10.04.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Falta de eletricidade dificulta vida em Luanda

Há mais de um mês que a capital angolana regista restrições diárias no fornecimento de energia elétrica, devido ao enchimento da albufeira da barragem de Laúca. Habitantes de Luanda queixam-se de transtornos diários.

Quando a luz é cortada, o barulho dos geradores toma conta da capital angolana, alternativa encontrada por alguns cidadãos para manterem as lâmpadas acesas e conservar os frescos. Mas há zonas onde reina a escuridão e o silêncio total porque nem todas as familias têm capacidade financeira para comprar um aparelho. E nem sempre existe combustível nas bombas de gasolina.

"A energia está mal, bem mal. Passamos o dia sem luz", desabafa Henrique Makikate, proprietário de uma recauchutagem na zona periférica de Luanda. "Trabalhamos na rua e a a recauchutagem trabalha com luz", lembra.

E quando não há luz, não há clientes, queixa-se também Adão Sebastião Madureira, responsável por um salão de beleza na Avenida Pedro de Castro Van-Dúnem "Loy". "Há clientes que gostam de cortar o cabelo com máquina e não posso fazê-lo porque o gerador avariou-se", lamenta.

Jorge Neto, chefe de redação do Jornal Manchete, também se queixa dos cortes constantes de energia elétrica. "É uma questão extremamente preocupante na medida em que até o nosso próprio trabalho é dificultado", afirma, sublinhando que os constantes cortes de energia afetam muitas vezes o fecho do jornal.

Falhas até de noite

A luz é garantida, em regra, no período da noite, sobretudo no centro da cidade. Mas nem sempre é assim. No último sábado (08.04), por exemplo, Luanda ficou às escuras, ao início da noite. 

Ouvir o áudio 03:35
Ao vivo agora
03:35 min

Falta de eletricidade dificulta vida em Luanda

O corte obrigou à interrupção momentânea de dois jogos: o clássico entre o Petro de Luanda e o 1º de Agosto, a contar para a 9ª Jornada do Girabola, o campeonato angolano de futebol, que se disputava no Estádio 11 de Novembro, nos arredores de Luanda; e a partida de basquetebol entre o Inter Club e o Desportivo do Libolo, que decorria na cidadela desportiva, no centro da cidade.

O problema regista-se desde 11 de março, altura em que começou o enchimento da albufeira da barragem de Laúca, na província de Malanje, e deverá estender-se até junho, dois meses antes da realização das eleições gerais previstas para agosto.

Porém, Jorge Neto já não acredita que Laúca seja a causa do problema. "Como jornalista, tenho fontes na hidroelétrica de Laúca e sei que Laúca já não tem problemas de água, a albufeira já atingiu o seu limite", diz. Sem avançar detalhes, o chefe de redação do Jornal Manchete afirma ainda que "há outras situações que o Governo não quer explicar".

O projeto hidroelétrico de Laúca custou aos cofres do Estado angolano cerca de quatro mil milhões de euros, para produzir, até final do ano, 2.067 MegaWatts para Luanda e a zona norte do país.

 

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados