Deputado guineense Marciano Indi denuncia nova tentativa de rapto | Guiné-Bissau | DW | 17.03.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Guiné-Bissau

Deputado guineense Marciano Indi denuncia nova tentativa de rapto

Líder da bancada parlamentar da APU-PDGB diz ter sido alvo de uma alegada tentativa de rapto por parte de agentes da Polícia de Intervenção Rápida. Governo remeteu reação a denúncia para "tempo oportuno".

Marciano Indi, líder da Assembleia do Povo Unido - Partido Social Democrata da Guiné-Bissau (APU-PDGB) no Parlamento, disse que o ato aconteceu na madrugada desta quarta-feira (17.03), na sua residência, em Safim, a 25 quilómetros de Bissau.

O político foi raptado e espancado no dia 22 de maio do ano passado, em plena luz do dia, quando se dirigia para a sua residência, vindo da capital guineense, por desconhecidos.

Marciano Indi faz parte do grupo de dirigentes da APU-PDGB que apoiaram a candidatura de Domingos Simões Pereira, na segunda volta das eleições presidenciais de 2019, enquanto o líder do partido, o atual primeiro-ministro, Nuno Nabiam, apoiou Umaro Sissoco Embaló, agora Presidente da Guiné-Bissau.

Parlament Guinea-Bissau

Parlamento guineense

Na segunda-feira, Batista Té, amigo e companheiro de Marciano Indi na APU-PDGB denunciou, em conferência de imprensa, estar na posse informações de que Indi poderia ser novamente raptado.

"O objetivo desta vez é raptar para me matarem", observou hoje Marciano Indi, acrescentando que o ato só não se consumou devido à ação de um grupo de jovens que têm feito vigilância na sua residência desde maio. Os elementos da PIR terão dito aos jovens que estavam no encalço de um ladrão, referiu Marciano Indi.

"Pessoas conhecidas pelo PR"

Também deputado da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), Marciano Indi afirmou hoje que o grupo que o raptou em maio é composto por "pessoas conhecidas pelo Presidente da República, presidente da Assembleia Nacional Popular e ministro do Interior".

"Tanto é que uma das pessoas que me raptou em maio falou, ainda no carro, com o ministro do Interior", observou Indi.

A Liga Guineense dos Direitos Humanos, através do vice-presidente Victorino Indeque, condenou a situação, conforme relatos dos órgãos de comunicação que chegaram à organização.

Guiné-Bissau: Que lições tirar das últimas eleições presidenciais?

Partidos condenam rapto

Vários partidos com assento parlamentar também repudiaram o ocorrido. Yaya Djaló, líder do Partido da Nova Democracia (PND) defendeu que a constituição guineense prevê a liberdade de expressão dos cidadãos guineenses, Agnelo Regala, presidente da União para a Mudança (UM) responsabiliza o Presidente guineense por ter sido quem nomeou o atual "Governo ilegal" e o Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), em comunicado, denunciou "um clima de terror que o regime tenta implantar" na Guiné-Bissau.

Os partidos Movimento para a Alternância Democrática (Madem G15) e o Partido da Renovação Social (PRS) disseram que não se pronunciam por não terem conhecimento do caso.

Entretanto, o Ministério do Interior da Guiné-Bissau remeteu uma reação sobre a denúncia do deputado Marciano Indi para "tempo oportuno". Fonte daquela pasta, que tutela a PIR (Polícia de Intervenção Rápida), disse à agência de notícias Lusa que "vai haver uma reação em tempo oportuno".

Leia mais