Covid-19: Presidente Moçambicano mantém medidas restritivas | Moçambique | DW | 20.12.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Covid-19: Presidente Moçambicano mantém medidas restritivas

Animado pela adesão à campanha de vacinação e aos poucos internamentos, Filipe Nyusi mantém medidas do decreto anterior sobre a prevenção da Covid-19. Presidente avisou que, se necessário, poderá tomar medidas drásticas.

O Presidente de Moçambique, Filipe Nyusi, manteve as medidas de prevenção da Covid-19 do anterior decreto (86/2021), tomadas em outubro passado, por mais 30 dias. A adesão à vacinação e o baixo índice de internamentos nos hospitais estão por detrás da manutenção das medidas de prevenção do novo coronavírus até o dia 19 de janeiro de 2022.

Nyusi anunciou ainda a intensificação das medidas de controlo e fiscalização a todos os níveis.

Mas o chefe de Estado alerta que se "pisarmos a linha vermelha, medidas drásticas deverão ser tomadas para salvar a vida dos moçambicanos".

"As medidas que hoje anunciamos poderão ser agravadas a qualquer momento em função do eventual agravamento a redução de indicadores. Portanto, estamos a atentos e estamos a monitorar a base diária e a qualquer momento podemos dizer que está mal, pode ser dentro de uma semana ou 15 dias, ou está bem. Sabem que não podemos repetir o cenário dramático que tivemos na segunda e terceira vagas," ponderou.

Mosambik | Coronavirus | Impfungen in Inhambane

Vacinação em Inhambane, sul de Moçambique

Vacinação

O Presidente Nyusi destacou o processo de vacinação tendo apelado a maior adesão ao processo pois, segundo promessas do Presidente, os não vacinados poderão ser condicionados a alguns serviços.

"Num futuro próximo poderemos, isso afirmo, condicionar quem não vacinou a frequentar determinados locais e ou a beneficiar de determinados serviços públicos essenciais. Estou a dizer do mesmo modo, os vacinados terão tratamento preferencial a acesso aos serviços nos locais definidos," declarou Nyusi.

Na sua comunicação à nação, o Presidente moçambicano disse não haver razões para se cometer mais erros porque o país já aprendeu muito com a pandemia. 

"Já não somos meninos para essa coisa, já estamos na quarta geração do raciocínio ou da vida e experiência, portanto não somos muito autorizados a cometer erros fatais, aqueles que nem sequer cometemos quando não tínhamos a experiencia," avaliou.

Nyusi suspendeu o recolher obrigatório que começava à meia noite apenas nos dias 24 e 31 de dezembro para dar lugar aos festejos do natal e do fim do ano, "para permitir que as famílias possam celebrar estes momentos em comunhão".

Infografik Impffortschritt in Afrika PT

Praias fechadas

Em relação às praias, que há muito os operadores de turismo pediram a sua reabertura, o Presidente da República não abriu mão. Em novembro, o responsável pelo pelouro do turismo na Confederação das Associações Económicas de Moçambique (CTA), Momed Abdula, queixou-se do encerramento e apresentou contra-propostas para não deixar morrer o setor:

"Nós queremos que o Governo arranje formas de conseguir manter as praias abertas para turistas, numa primeira fase até isto melhorar e sem aglomerações. Por exemplo, nós sabemos que as aglomerações são aos fins de semana. Talvez então deixamos as praias fechadas aos fins de semana e abrirmos durante a semana", disse.

Manutenção do decreto 86/2021

Filipe Nyusi relatou um conjunto de fatores, para anunciar a manutenção do decreto 86/2021 por mais 30 dias - a entrar em vigor a partir da meia noite de 21.12 até 19 de janeiro de 2022.

Segundo o Presidente para tomar esta decisão, levou-se em conta: que o país encontra-se no nível 3 de alerta, a disseminação da variante Ómicron, o aumento da transmissão em vários países vizinhos, a necessidade de consolidar os ganhos alcançados, o facto de que a cobertura atual da vacinação ainda não é completa, entre outros fatores.

Além da manutenção do recolher obrigatório, o Presidente ressaltou que ficam vedadas as vistas aos reclusos e reduzido de duas para uma por dia o número de visitas aos doentes internados em hospitais.

*Artigo atualizado às 15:07 horas locais na Alemanha

A corrupção em Moçambique e a "síndrome do segundo mandato"

Leia mais