Covid-19: Desconfinamento é “compreensível” mas preocupa autoridades guineenses | NOTÍCIAS | DW | 13.08.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Covid-19: Desconfinamento é “compreensível” mas preocupa autoridades guineenses

Na Guiné-Bissau, o desconfinamento e o incumprimento das medidas de prevenção da Covid-19 estão a preocupar as autoridades do país, que prometem sancionar o comportamento. O uso de máscara ainda é obrigatório.

A Guiné-Bissau está em estado de emergência desde março, mas cada vez mais se assiste ao incumprimento das medidas para evitar a propagação da Covid-19 no país, que já regista mais de dois mil casos positivos e 29 óbitos pela doença.

Quase todas as atividades que tinham sido proibidas pelas autoridades já foram retomadas. Os transportes circulam de uma região para a outra, atividades desportivas coletivas também estão a decorrer, bares e algumas discotecas estão em funcionamento. E a isso associa-se o não uso de máscara pela população e o incumprimento do distanciamento social.

Plácido Cardoso, do Alto Comissariado de Luta contra a Covid-19, promete medidas corretivas "para que o decreto governamental seja cumprido”:

Situação é preocupante

"Estamos bastante preocupados com esta situação. Assim como estamos preocupados não só com a situação de transportes, mas [também] das discotecas e dos bares que estão a funcionar normalmente, como se não estivéssemos no período da restrição. E acho que terá que se tomar medidas corretivas de forma a pôr cobro a essa desorganização", adianta. 

Ouvir o áudio 02:30

Covid-19: Desconfinamento é “compreensível” mas preocupa autoridades guineenses

Por outro lado, o sociólogo guineense Infali Donque disse que é compreensível o desconfinamento que agora se verifica: "Quase em todos os países, as autoridades estão a ter dificuldades em regular o comportamento das pessoas. Nota-se claro um desgaste emocional e económico. O ser humano é social e o confinamento relega toda a sociedade ao isolamento e não é fácil de ponto de vista social", disse Donque à DW África.

"Essa doença existe na Guiné-Bissau" 

O uso de máscara continua a ser obrigatório, embora haja quem não cumpra esta medida. Cidadãos ouvidos nas ruas de Bissau pela DW África apelam à união dos esforços para o combate à pandemia:"[As populações] não estão a acatar a decisão do Governo. E quando o Governo tomar uma decisão dura, vão dizer que o Governo está a atuar mal, quando não", disse um funcionário público.

Uma professora lança o apelo: "Todos nós devemos usar máscaras para evitar o pior, porque todos sabemos que existe a Covid-19 na Guiné-Bissau." "É necessário reforçar as informações junto dos cidadãos para que possam compreender melhor que, na verdade, essa doença existe na Guiné-Bissau", disse ainda um estudante universitário.

Leia mais