Continuam detidos garimpeiros julgados sumariamente em Angola | Angola | DW | 12.03.2014
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Continuam detidos garimpeiros julgados sumariamente em Angola

Presos em Saurimo, capital da Lunda-Sul, desde o início do mês, os 150 garimpeiros foram acusados de extração ilegal de diamantes, numa região em que o próprio Governo concedeu licenças para exploração artesanal.

Os garimpeiros, na sua maioria jovens, foram detidos a 03.03, em Sassuaha. Segundo o presidente do Movimento do Protetorado da Lunda Tchokwé (MPLT), José Mateus Zecamutchima, num ataque lançado por forças policiais terão sido mortas algumas pessoas e outras terão desaparecido.

Na passada sexta-feira (07.03), 150 garimpeiros foram julgados de forma sumária pelo Tribunal Provincial da Lunda Sul e condenados. Foram acusados de praticarem a extração ilegal de diamantes, numa região em que, segundo o MPLT, o Executivo de Luanda concedeu há dois anos algumas licenças para a exploração artesanal de diamantes.

Segundo José Zecamutchima, na região da Lunda Tchokwé o garimpo existe porque 99% dos jovens não tem trabalho, mas “tem família e filhos para enviar para a escola”. Como não existe emprego, explica, “as pessoas procuram uma forma de sobrevivência.

Para o presidente do movimento, não se justifica que dois anos depois de o Governo ter tomado uma decisão sobre o garimpo artesanal venha agora dizer precisamente o contrário. “O próprio regime tem estado a fomentar a prática do garimpo, uma vez que em 2012 este mesmo Governo andou a atribuir licenças de exploração artesanal de diamantes”, sublinha.

Quadro na região é desolador

O responsável do MPLT lembra que a situação na região é extremamente difícil para os seus habitantes. E traça um quadro desolador da região: “Na província da Lunda-Sul, como no resto das províncias do Cuango Cubango, Moxico, até à Lunda-Norte, existe pobreza extrema. Não encontro nenhuma família que tenha um dólar por dia para a sua alimentação e muito menos 50 dólares para poder libertar essas pessoas da cadeia”, conta.

Ouvir o áudio 03:35
Ao vivo agora
03:35 min

Continuam detidos garimpeiros julgados sumariamente em Angola

José Zecamutchima questiona ainda a decisão do juiz que condenou os garimpeiros e que “disse que quem pagar uma multa de 50 mil kwanzas (cerca de 400 euros) sairia em liberdade”, frisa.

“Como sabemos, essas pessoas estão desempregadas e não vão ter essa capacidade. Logo, terão que permanecer na cadeia”, lamenta José Mateus Zecamutchima. Conta ainda que no dia do julgamento sumário, as famílias dos detidos manifestaram a sua revolta à porta do tribunal.

Anulação da sentença

Entretanto, o MPLT, que tem estado a trabalhar com a associação angolana Mãos Livres, está a desenvolver esforços “para ver como é possível anular a sentença” e obter a libertação dos garimpeiros. “Os juízes, se são independentes, também devem recuar” na sua decisão, defende José Zecamutchima.

“O Governo de Angola deve recuar na sua posição”, afirma o presidente do movimento, que fala em “terrorismo de Estado”.

Acrescenta que o próprio Executivo sabe por que razão “há muitas queixas” contra o livro do jornalista e ativista angolano Rafael Marques – “Diamantes de Sangue: Tortura e Corrupção em Angola”, editado em 2011 pela Tinta da China – “que tem estado a denunciar a violação de direitos nas Lundas por causa do garimpo.”

Kriegsökonomie Blutdiamanten in Sierra Leone

A Serra Leoa é outro dos países africanos conhecidos pelo garimpo artesanal de diamantes

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados