Centenas de estudantes raptadas na Nigéria | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 26.02.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Centenas de estudantes raptadas na Nigéria

Homens armados invadiram os dormitórios de uma escola feminina em Zamfara, no noroeste da Nigéria, e raptaram um "grande número" de raparigas. É o segundo caso de sequestro numa escola nigeriana em apenas uma semana.

Um rapto semelhante ocorreu na semana passada no Estado de Katsina

Um rapto semelhante ocorreu na semana passada no Estado de Katsina

Um grupo de homens armados raptou um número desconhecido de estudantes num ataque na noite passada a um internato no noroeste da Nigéria, anunciou esta sexta-feira (26.02) um porta-voz do governo estatal.

O rapto teve lugar na cidade de Jangebe, estado de Zamfara, por volta da meia-noite. "Mais de 300 raparigas estão dadas como desaparecidas", disse à AFP o professor Sadi Kawaye.

"Eu estava na estrada de Jangebe quando recebi a informação de que bandidos tinham raptado as alunas", disse Said Kawaye, pai de uma das alunas raptadas.

Segundo rapto numa semana

Na semana passada, homens não identificados mataram um estudante e raptaram 42 pessoas, incluindo 27 crianças, também durante a noite, noutro colégio interno no centro do país. Os reféns ainda não foram libertados.

Também em dezembro passado, 300 rapazes foram alvo da mesma ação por grupos armados na região de Kankara, Estado de Katsina.

Os grupos de crime organizado estão escondidos nas florestas de Rugu que se estendem por quatro estados do norte e do centro da Nigéria: Katsina, Zamfara, Kaduna e Niger. 

Os atacantes são motivados pelos lucros dos resgates que impõem ao Estado e às famílias e muitos mantêm ligações com grupos extremistas islâmicos no noroeste do país. 

A violência na zona já fez mais de oito mil mortos desde 2011 e obrigou 200 mil pessoas a abandonarem os locais de residência, de acordo com uma investigação do International Crisis Group publicada em maio de 2020.  

  

Leia mais