1. Ir para o conteúdo
  2. Ir para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Carlos Veiga Kapverden
Foto: DW/N. dos Santos
PolíticaCabo Verde

Cabo Verde: MpD e da UCID apoiam Carlos Veiga

Lusa
6 de setembro de 2021

Os presidentes dos partidos MpD (poder) e da UCID (oposição) juntaram-se ontem à campanha do ex-primeiro-ministro Carlos Veiga a Presidente de Cabo Verde nas eleições de outubro.

https://p.dw.com/p/3zyF5

Neste domingo (05.09), Ulisses Correia e Silva, presidente do Movimento para a Democracia (MpD), partido que suporta o Governo e que declarou apoio formal à candidatura de Carlos Veiga, disse que "este é um momento decisivo. Cabo Verde precisa de um Presidente que some a favor do país, que garanta a estabilidade política".

Ulisses Correia e Silva, também primeiro-ministro reeleito em abril último, acrescentou que o atual momento, de crise económica provocada pela pandemia de Covid-19, "exige união, coesão e estabilidade", defendendo a importância da eleição de Carlos Veiga como chefe de Estado face à agenda de "relançamento da economia" no pós-pandemia. 

"Precisámos de um Presidente que ajude nessa agenda, que esteja ao lado do povo, ao lado do Governo. Este é o momento de somar e não subtrair. É o momento de jogar o jogo certo por Cabo Verde", afirmou.

"Kalu é a melhor escolha para Cabo Verde"

Carlos Veiga 'Kalu' -- alcunha do jurista e adotada pela sua campanha -, 71 anos, foi o primeiro primeiro-ministro escolhido em eleições livres em Cabo Verde (1991 a 2000) e anunciou em março a sua terceira candidatura presidencial (depois de falhar a eleição em 2001 e 2006).

"Kalu é a melhor escolha para Cabo Verde", afirmou Ulisses Correia e Silva.

Numa crítica à oposição, o líder do MpD afirmou estar convicto da eleição de Veiga, porque o país precisa de um Presidente "sem agendas escondidas" e com um "passado limpo".

Kap Verde | Parlamentswahlen | Ulisses Correia e Silva
Ulisses Correia e Silva, primeiro-ministro de Cabo VerdeFoto: Seyllou/AFP/Getty Images

O jurista e ex-primeiro-ministro de Cabo Verde -- o primeiro eleito após o regime de partido único - Carlos Veiga realizou hoje no Parlamento, na Praia, a abertura oficial da sua campanha ao cargo da Presidente da República nas eleições de 17 de outubro.

"Não nos podemos acomodar"

António Monteiro, presidente da União Caboverdiana Independente e Democrática (UCID), subiu ao palco para justificar o apoio formal do partido - um dos dois partidos da oposição representados no Parlamento - a Carlos Veiga: "Não nos podemos acomodar quando o que está em jogo vale muito mais do que todos os partidos em Cabo Verde".

O líder da UCID, terceiro partido mais votado nas eleições legislativas de abril, afirmou que Cabo Verde "está numa encruzilhada", que se não for "bem tratada" pode "perigar a estabilidade política e social", daí o apoio a Veiga, contrariamente ao que aconteceu há 20 anos.

"Fazemo-lo com elevado espírito de comprometimento com Cabo Verde e com muita responsabilidade", justificou, esperando que se Carlos Veiga for eleito impulsione o processo de regionalização no arquipélago, tal como o fez com o municipalismo em 1992, após o período do partido único.

Na sua intervenção, Carlos Veiga recordou os feitos de Cabo Verde, sobretudo desde o período da democracia, transição que liderou: "Hoje podemos ir e vir sem autorização de segurança".

Kap Verde | Wahlkampf 2021
Foto: Angelo Semedo/DW

"Não precisamos de crispação política"

Disse ainda que estas presidenciais não se podem confundir com a escolha de um Governo e de um primeiro-ministro, já que são "funções distintas", apesar de poderem "complementar-se para garantir a estabilidade necessária ao desenvolvimento do país".

"Não é papel do Presidente fazer intriga, mas criar estabilidade", atirou, prometendo ainda consensos nacionais, união e manter "viva" a Constituição, que ajudou a escrever, após as primeiras eleições livres.

"Não precisamos de crispação política", disse igualmente, defendendo querer ser um "facilitador" de entendimentos, face à situação do país, que vive uma profunda crise económica e social, devido às consequências da pandemia de covid-19.

"Com união e independência, nós vamos passar pela tempestade. Com estabilidade, com coragem", concluiu.

As candidaturas

Cabo Verde realiza eleições presidenciais em 17 de outubro de 2021 -- depois de autárquicas em outubro de 2020 e legislativas em abril passado - , às quais já não concorre Jorge Carlos Fonseca, que cumpre o segundo e último mandato como Presidente da República.

O Tribunal Constitucional anunciou em 24 de agosto que admitiu as candidaturas a estas eleições de José Maria Pereira Neves, Carlos Alberto Wahnon de Carvalho Veiga, Fernando Rocha Delgado, Gilson João dos Santos Alves, Hélio de Jesus Pina Sanches, Joaquim Jaime Monteiro e Casimiro Jesus Lopes de Pina.

Cabo Verde: Jovens fazem campanha, mas não votam

Saltar a secção Mais sobre este tema
Saltar a secção Conteúdo relacionado