Brasil: Sondagens apontam para segunda volta das eleições presidenciais | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 07.10.2018

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Brasil: Sondagens apontam para segunda volta das eleições presidenciais

Este domingo (07.10), dia de eleições, Fernando Haddad, do Partido dos Trabalhadores, pediu aliança na segunda volta para "reconstrução democrática do país". O favorito, Jair Bolsonaro, está confiante na maioria.

Um total de 147,3 milhões de brasileiros são chamados este domingo (07.10) a votar nas eleições em que estarão em disputa o cargo de Presidente mas também representantes no parlamento (Câmara dos Deputados e Senado) e nos governos regionais.

Jair Bolsonaro, favorito à vitória e líder do Partido Social Liberal (PSL), votou na zona oeste do Rio de Janeiro. Aos jornalistas, o candidato afirmou que acredita que tem hipóteses de vencer na primeira volta.  "Acaba hoje", disse Bolsonaro, acrescentando estar "com muita fé e esperança" de que não haja segunda volta.

Brasilien, Präsidentschaftswahl, Kandidat Jair Bolsonaro

Jair Bolsonaro é favorito à vitória mas sem maioria

Ainda assim, Bolsonaro deixou garantias de que, se houver, marcará presença nos debates. "Sem grande partido, sem fundo partidário, sem tempo de televisão, mas tendo a verdade e a sinceridade, desbancamos figurões que achavam que, fazendo parcerias e acordos com grandes partidos, via televisão, ganhariam a eleição", disse.

"Aliança” na segunda volta

Fernando Haddad, candidato do Partido dos Trabalhadores (PT), votou numa escola em São Paulo, onde foi recebido por apoiantes do seu partido. Haddad disse que o Brasil está a correr o risco de perder as conquistas dos últimos 30 anos e defendeu uma aliança na segunda volta para a reconstrução democrática do país. "Estou esperançoso de que teremos uma segunda volta muito mais civilizada do que tivemos na primeira. Tenho o maior respeito pelos que concorreram, principalmente com aqueles com quem trabalhei. Com a Marina, com o Ciro Gomes, com o Meirelles, no governo Lula".

Ciro Gomes, candidato do PDT, encontra-se na terceira posição nas sondagens destas eleições. Esta manhã, disse estar otimista numa reviravolta. "Estou bastante otimista, com muita esperança de que o Brasil seja iluminado por Deus nesta hora tão difícil, e que o Brasil possa ser o instrumento que Deus faz usar para nação brasileira se proteger da violência e do radicalismo", disse.

Brasilien Präsidentschaftswahl in Fortaleza Ciro Gomes

Ciro Gomes encontra-se em terceiro nas sondagens

Ciro Gomes afirmou ainda acreditar que será um dos dois candidatos mais votados e que chegará à segunda volta. O candidato do PDT deixou ainda um recado a Bolsonaro: "Quando uma pessoa, no dia da eleição, já se afirma vitorioso, é porque dispensa os votos das pessoas. Eu quero o voto e peço com humildade para ter uma chance de representar os brasileiros decentes e equilibrados”.

Até ao momento, deu conta a Polícia Federal, foram levados para prestar esclarecimentos 43 eleitores. São suspeitos de cometerem crimes eleitorais, como transporte ilegal de eleitores à boca de urna. A maioria dos casos for registado no Ceará.

Bolsonaro continua a subir…

As últimas sondagens do Datafolha e do Ibope, reveladas na noite deste sábado (06.10), dão a vitória a Jair Bolsonaro, candidato do Partido Social Liberal (PSL) com 40% das intenções de voto dos brasileiros. Segue-se Fernando Haddad, que encabeça o Partido dos Trabalhadores (PT), com 25% e Ciro Gomes cresce, aparecendo com até 15% dos votos. De acordo com ambos os estudos, Jair Bolsonaro e Fernando Haddad defrontam-se numa segunda volta, marcada para o dia 28 deste mês.

Brasileiros a viver na Alemanha preocupados com futuro

Cerca de 25.500 brasileiros estão registados para votar em toda a Alemanha nas eleições deste domingo (07.10). Para muitos, votar nestas eleições, é sinónimo de ter de fazer longas viagens, o que não os impede.

Vilani Risc, que viajou de Dresden a Berlim (cerca de 200 quilómetros) explica, em entrevista à Lusa que, neste momento, é "preciso agir”: "Senti-me no dever de vir votar desta vez, mais do que nas outras, porque a situação do país não é boa e quero cooperar para que mude. Só em casa não se muda nada”, disse.

Também Simone Fultran está preocupada com o futuro do seu país e acredita que "pode acontecer de tudo, até uma guerra civil". "É muito importante votar porque o país está a atravessar um momento muito complicado. Há vários problemas, mas estão todos ligados à política. Desde o 'impeachment' da Dilma, o Brasil está num clima de revolta muito grande. Havia 22 pré-candidatos, o que é um absurdo, depois ficaram 13, o que também é muito. Não tenho uma bola de cristal, mas, como são tantos candidatos, acredito que vai mesmo haver um segundo turno", acredita esta brasileira que reside há vinte anos na Alemanha.

Para estas eleições, houve um reforço dos locais de votação na Alemanha. Além de Berlim e Frankfurt, é possível votar em Munique, Hamburgo e Colónia. De acordo com a Embaixada do Brasil em Berlim, são cerca de 25500 os eleitores brasileiros registados. No total, residem na Alemanha, cerca de 104 mil brasileiros.

Leia mais