Avenidas Macky Sall e Muhammadu Buhari geram polémica em Bissau | Guiné-Bissau | DW | 30.09.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Guiné-Bissau

Avenidas Macky Sall e Muhammadu Buhari geram polémica em Bissau

Decisão das autoridades de atribuir os nomes dos Presidentes do Senegal e da Nigéria a duas avenidas da capital guineense causa controvérsia. Ruas foram batizadas a 24 de setembro. Sociedade civil critica a iniciativa.

Sissoco Embaló e Macky Sall na inauguração da avenida em honra do Presidente senegalês

Sissoco Embaló e Macky Sall na inauguração da avenida em honra do Presidente senegalês

As críticas sucedem-se desde que as duas avenidas foram inauguradas com os nomes dos Presidentes do Senegal, Macky Sall, e da Nigéria, Muhammadu Buhari, no dia 24 de setembro, por ocasião das celebrações dos 47 anos da independência da Guiné-Bissau.

Cidadãos comuns e várias figuras públicas e analistas políticos questionam como é que se pode ter nomeado duas avenidas em homenagem a pessoas que não têm uma ligação histórica com a Guiné-Bissau.

O analista político Rui Landim critica particularmente que se tenha atribuído a uma avenida o nome de Macky Sall, uma vez que, a seu ver, o chefe de Estado senegalês terá contribuído para a instabilidade recente no país.

"Não há avenida Luís Cabral, Umaro Djaló, Constantino Teixeira, Nino Vieira [todos combatentes da liberdade da pátria] e tantos outros", lembra o analista, que tece duras críticas a quem trouxe "alguém que tem tudo contra a Guiné-Bissau e é pago para ter conspirado e instigado o golpe de Estado no país."O que Macky Sall quer", conclui Rui Landim, é a "dominação da Guiné-Bissau pelo Senegal."

Sissoco Embaló responde às críticas

Na última sexta-feira (25.09) o Presidente guineense, Umaro Sissoco Embaló, apresentou os seus argumentos perante as críticas da sociedade.

"O Presidente Macky Sall, depois de inaugurar a sua avenida, mandou alcatroá-la de imediato. Perguntou à empresa Arezki quanto é, disseram-lhe e mandou iniciar os trabalhos. Mas será que o Presidente Macky Sall, os seus filhos ou os senegaleses é que vão andar lá? Não somos nós?", pergunta o chefe de Estado.

Einweihung der Macky Sall Allee in Bissau

Muhammadu Buhari, Sissoco Embaló e Macky Sall durante a cerimónia

"As pessoas têm de ser inteligentes. E se você [jornalista] quer agora uma avenida, garante-me que vai alcatroá-la, vou atribuir-lhe o seu nome", prometeu Umaro Sissoco Embaló.

Ato do Presidente revela "ilegalidade e incapacidade"

Mas o presidente do Movimento dos Cidadãos Conscientes e Inconformados (MCCI), Sana Canté, reprova os argumentos apresentados pelo chefe de Estado.

"[O ato do Presidente] revela uma dupla combinação entre a ilegalidade e a incapacidade. Ilegalidade por ser autoproclamado e golpista Presidente da República da Guiné-Bissau. O mais chocante é ver que se baseou em quem dá mais, quem tiver dinheiro para investir no país, fica com o país e quem tiver dinheiro para investir na estrada, fica com estrada", critica Sana Canté.

Apesar do tema merecer debate nos órgãos de comunicação social, nem o Governo, nem a Assembleia Nacional Popular (ANP) reagiram à polémica.

Em silêncio estão também os partidos políticos guineenses, que, contactados pela DW África, não se quiseram pronunciar sobre a atribuição dos nomes Macky Sall e Muhammadu Buhari às duas avenidas inauguradas na semana passada.

Leia mais