Assassinato de Anastácio Matavele, um crime de Estado que continua na gaveta? | Moçambique | DW | 08.04.2020

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Assassinato de Anastácio Matavele, um crime de Estado que continua na gaveta?

O assassinato do observador eleitoral é visto pelo Centro para a Democracia e Desenvolvimento como crime de Estado. Face ao silêncio da justiça, a ONG quer ver o caso tratado à luz de mecanismos internacionais.

Seis meses após o assassinato de Anastácio Matavele, ainda não se conhecem todos os autores do crime e muito menos houve responsabilização. O observador eleitoral e ativista dos direitos humanos foi assassinado a 7 de outubro de 2019 em Xai-xai, durante a campanha eleitoral.

Cerca de um mês depois, a Procuradoria Geral da República (PGR) acusou oito arguidos pela sua morte, na sua maioria polícias.

Durante a instrução contraditória que terminou em fevereiro, a defesa solicitou os extratos das conversas telefónicas entre os arguidos, o que mereceu o silêncio do tribunal até hoje, segundo o Boletim dos Direitos Humanos do Centro para a Democracia e Desenvolvimento (CDD).

Este mutismo denuncia a atuação suspeita da justiça?

A justiça e a política da avestruz

Mosambik Adriano Nuvunga

Adriano Nuvunga, diretor do CDD

Adriano Nuvunga é o diretor do CDD e interpreta "o silêncio, o desinteresse e a falta de seguimento das pistas no que diz respeito à busca de extratos de conversas telefónicas" como indícios "de que o tribunal não quer ouvir a verdade crua e nua sobre quem são os mandantes do assassinato bárbaro e macabro do Anastácio Matavele".

E Nuvunga vai mais longe ao acusar: "[O tribunal] está a aplicar aqui uma política de avestruz - está a esconder-se. Particularmente o Ministério Público não quer seguir as pistas que estão claras, que o advogado da família [Matavele] colocou bastante bem, e isso nos leva a pensar que provavelmente o tribunal tem a dimensão de que não é um crime público, é um crime de Estado".

Um crime do Estado

No seu Boletim dos Direitos Humanos, o CDD afirma que - perante a atitude do Comando Geral da Polícia de promover os agentes envolvidos no crime, a atuação parcial do Tribunal Judicial da Província de Gaza e a instrumentalização dos agentes detidos para desresponsabilizarem o Estado - a ONG continua a defender que o caso Matavele deva ser tratado à luz dos mecanismos internacionais de defesa dos direitos humanos de modo a responsabilizar o Estado moçambicano pelos atos dos seus agentes. 

Sala da Paz Wahlbeobachtungsplattform in Mosambik

Anastácio Matavele era colaborador da ONG Sala da Paz

"Em relação aos mecanismos internacionais - muito em particular à Comissão Africana dos Direitos Humanos e dos Povos, que nós pensamos que deve, na verdade, ser acionada - eu receio, face a tudo o que temos estado a assistir, que não está a haver interesse por parte do Estado através dos tribunais de ver este caso ser esclarecido. Estamos claramente a dizer que este é um crime do Estado e sendo um crime do Estado quer dizer que foi pensado e orquestrado por pessoas que agem em nome do Estado", entende o diretor do CDD.

"Silêncio das autoridades é de cumplicidade"

E para Adriano Nuvunga, "assim sendo estão a renegar a justiça, é uma justiça recusada. Mas também de tudo vão fazer para que o caso fique em banho-maria como tantos outros que andam por aí. Então, nesse sentido, pensamos que, à luz do direito internacional, deve-se acionar estes mecanismos por forma a que se compreenda que a nossa preocupação é de que se vá negar a justiça perante um crime hediondo num contexto de eleições. E isso deve claramente ter espaço junto dos mecanismos internacionais, muito em particular os mecanismos africanos".

Mas a mudez não é apenas marca dos tribunais, as autoridades também preferem fechar-se em copas sobre este caso. Para Adriano Nuvunga, "o silencio das autoridades moçambicanas é de cumplicidade. E as evidências mostram que pessoas importantes participaram e orquestraram este assassinato e por isso vão ficando em silêncio a espera que o caso caia no esquecimento, o objetivo é esse."

Assistir ao vídeo 01:49

Moçambique: "Sala da Paz" classifica de cruel e intimidador assassinato de Matavel

"Não vamos deixar o caso cair no esquecimento"

Mas o CDD não pretende deixar o caso Matavele morrer. O seu diretor é categórico: "Matavele foi nosso colega e estamos aqui para dizer que não vamos deixar o caso Anastácio Matavele cair no esquecimento. Tem de haver justiça, tem de haver ressarcimento para a família. Mas, acima de tudo, tem de haver justiça no que diz respeito à responsabilização dos executantes e também dos mandantes, que sabemos que estão aí à monte".

O assassinato de Matavele é interpretado pela sociedade civil, e não só, como intimidação a quem monitora as eleições em Moçambique - um processo entendido como altamente viciado. O assassinato do observador eleitoral foi a maior mancha das eleições de 2019.

Matavele era diretor-executivo do Fórum das Organizações da Sociedade Civil na província de Gaza (FONGA). Foi também colaborador da ONG Sala da Paz.

Leia mais