Argélia: Centenas de manifestantes contestam quinto mandato de Bouteflika | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 24.02.2019

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Argélia: Centenas de manifestantes contestam quinto mandato de Bouteflika

Protestos têm-se repetido no país e visam contestar a recandidatura do Presidente Abdelaziz Bouteflika às eleições de 18 de abril. A polícia disparou gás lacrimogéneo e deteve 40 pessoas.

Algerien | Präsident Abdelaziz Bouteflika

Presidente Abdelaziz Bouteflika está no poder desde 1999

Centenas de pessoas manifestaram-se, este domingo (24.02),  em Argel, capital da Argélia, contra um quinto mandato do Presidente Abdelaziz Bouteflika.

A mobilização dos manifestantes foi organizada nas redes sociais e reuniu centenas de pessoas. A polícia tentou impedir a manifestação, evacuando a praça central em Argel, para onde estava previsto o protesto. No entanto, os manifestantes deslocaram-se para outro espaço. Foi numa das principais ruas comerciais da capital que os protestantes gritaram frases como "Argélia livre e democrática!" e "Não ao 5.º mandato!".

Algerien | Tausende protestieren gegen fünfte Amtszeit von Präsident Bouteflika

Manifestação de sexta-feira (22.02), em Argel

Cerca de 40 pessoas foram detidas após o protesto, em que a polícia disparou gás lacrimogéneo. Os manifestantes responderam com pedras.

Ainda que centenas de pessoas se tenham juntado aos protestos deste domingo, a participação foi muito menor do que a registada na sexta-feira (22.02), quando milhares de argelinos invadiram as ruas, incluindo as de Argel, onde as manifestações são estritamente proibidas, contestanto a candidatura de Bouteflika às eleições de 18 de abril.

Na altura, em declarações à agência Efe, um jovem estudante universitário explicou que: "Estamos cansados de Bouteflika. É um candidato fantasma. Não sabemos onde ele está, nem sequer se está vivo. É uma vergonha para o nosso país", disse Mohamad Abu Adel.

As manifestações, proibidas em Argel desde 2001, têm sido convocadas nas redes sociais como forma de protesto ao quinto mandato do Presidente Bouteflika, no poder há uma década, desde 1999.

Bouteflika, de 81 anos, que anunciou em 10 de fevereiro concorrer a um quinto mandato presidencial, conduziu o processo de pacificação da Argélia, terminando um conflito civil que durava desde 1992 e permitindo a amnistia a grupos islâmicos afastados dos centros de decisão política. 

Leia mais