Angola: ″Preocupante declínio da liberdade de imprensa″ | Angola | DW | 29.10.2020

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Angola: "Preocupante declínio da liberdade de imprensa"

É um alerta da Associação Repórteres Sem Fronteiras (RSF), que classifica como um "retrocesso preocupante" a detenção e agressões a jornalistas, durante uma manifestação no sábado (24.10) em Luanda.

Polícia nas ruas de Luanda para conter manifestações contra o Governo

Polícia nas ruas de Luanda para conter manifestações contra o Governo

Em comunicado divulgado esta quinta-feira (29.10), a RSF apela às autoridades angolanas para que não recorram a métodos de predação da informação que remetam aos "dias sombrios da ditadura".

Mais de cem manifestantes, que protestavam no sábado por melhores condições de vida e pela realização das eleições autárquicas, foram detidos sob acusação de crimes de arruaça e dano de bens públicos, estando o julgamento a decorrer esta semana.

No decurso da manifestação, dois jornalistas, Suely Moreno e Carlos Tomé, um fotógrafo, Santos Samuesseca, e o motorista, Leonardo Franciso, todos da Rádio Essencial, foram detidos e presos "sem justa causa pela polícia", sendo apenas libertados na segunda-feira (26.10).

Segundo a RSF, foram igualmente detidos e soltos algumas horas depois dois jornalistas da TV Zimbo, dois fotógrafos da Agência France Press, Georges Nsimba e Osvaldo Silva, este último relatou cenas de "agressão policial" referindo que foram "forçados a apagar as imagens".

Assistir ao vídeo 01:16

Luanda: Segundo dia de protestos pela libertação de manifestantes

"Retrocesso lembra a ditadura"

"Ao cobrir uma manifestação, os jornalistas não estavam fazendo nada além do seu trabalho", afirma, no comunicado, o responsável pelo escritório da RSF para África, Arnaud Froger.

Essa "onda de prisões e agressões", refere, constitui "um retrocesso preocupante que lembra os momentos sombrios da ditadura".

"Três anos após a queda do Presidente José Eduardo dos Santos, a liberdade de imprensa continua ser uma conquista em grande parte inacabada em Angola", aponta a RSF.

Reação das autoridades

Para Arnaud Froger, se as autoridades angolanas "desejam sinceramente virar a página de anos de predação das informações, elas não têm escolha a não ser condenar tais atos e punir seus infratores".

A RSF diz que já havia documentado, em outubro, as "graves ameaças" dirigidas a "vários meios de comunicação e jornalistas angolanos pela cobertura do caso Edeltrudes Costa", chefe do gabinete do Presidente angolano, João Lourenço, suspeito de ter desviado fundos públicos.

Assistir ao vídeo 00:44

Luanda: "Governo assassino, acaba de me matar"

"O 'site' de notícias independente Correio Angolense, bem como o jornalista 'freelance' e ex-correspondente da RSF, Siona Casimiro, foram alvos de ataques cibernéticos, e o jornalista Carlos Rosado de Carvalho foi censurado por vários canais com os quais colaborava", lê-se no comunicado.

Nesta quinta-feira, na abertura da quarta sessão ordinária do comité central do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA, no poder desde 1975), o Presidente angolano, João Lourenço, lamentou as detenções de jornalistas, "devidamente credenciados", augurando que tal situação "não volte a se registar no país".

Angola ocupa, atualmente, o 106.º lugar entre 180 países no Raking Mundial da liberdade de Imprensa estabelecido pela RSF em 2020.