“Angola precisa que quem governa seja competente”, diz CEAST | Angola | DW | 30.03.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

“Angola precisa que quem governa seja competente”, diz CEAST

Bispos da Conferência Episcopal de Angola e São Tomé (CEAST) enviam ao regime angolano recados sobre eleições gerais. Em comunicado, pedem ainda maior responsabilidade às autoridades.

CEAST - Bischofskonferenz von Angola und São Tome (DW/N. Sul de Angola)

Bispos da CEAST reunidos na província de Benguela

No comunicado pastoral, lido pelo bispo de Namibe, Dom Dionísio Essilenapo, a Conferência Episcopal de Angola e São Tomé (CEAST) começa por afirmar que Angola precisa de um Governo que não governe apenas para uma elite privilegiada.

"Angola precisa que quem governa seja competente e governe para todos e não apenas para aqueles que o elegerem e, pior ainda, para uma elite de privilegiados. Precisa igualmente de uma oposição forte que obrigue quem governa a dar o melhor de si em prol do bem de todos”, afirma.

Segundo ainda Dom Dionísio Essilenapo, "a democracia não é a ditadura da maioria, deve procurar o consenso, deve valorizar-se as contribuições das minorias, cujos direitos têm de ser sempre respeitados no quadro do Estado Democrático e de Direito”.

Maior responsabilidade

CEAST - Bischofskonferenz von Angola und São Tome (DW/N. Sul de Angola)

Dom Dionísio Essilenapo

Os líderes da Igreja Católica de Angola e São Tomé, reunidos desde o passado dia 20 de março, na província de Benguela, solicitam maior responsabilidade por parte das autoridades para que as eleições decorram dentro da normalidade.

"Os responsáveis políticos e partidários devem assegurar a máxima transparência de todas as fases do processo eleitoral para que decorra de forma pacífica e a sua credibilidade não seja colocada em questão.”

Sobre a conduta dos órgãos de comunicação social públicos na cobertura eleitoral, os bispos da CEAST constataram que os órgãos de comunicação social públicos têm sido excessivamente parciais e tendenciosos a favor do partido do Governo, o Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA).

"Para a sua credibilidade, devem desempenhar o seu papel, extremamente importante, ao longo de todo o processo eleitoral, com rigor e isenção, garantindo o acesso à informação sobre os diferentes candidatos e programas políticos. O direito à informação plural é um dos pilares fundamentais de qualquer sistema democrático e essencial para a consolidação da nossa democracia”, afirmou.

Contra violência verbal

Ouvir o áudio 02:55
Ao vivo agora
02:55 min

“Angola precisa que quem governa seja competente”, diz CEAST

Neste comunicado, a igreja Católica não deixou de manifestar igualmente a sua preocupação sobre a tendência de violência verbal que se regista entre os candidatos e os partidos políticos concorrentes às eleições.

"Devemos acautelar que não se fale ao respeito pela diversidade de opções que é construtiva do sistema democrático. Preste-se atenção para que nenhuma situação leve a qualquer tipo de violência (verbal, física, psicológica)”, leu Dom Dionísio Essilenapo.

"No respeito pela reconciliação nacional, evite-se recordar desnecessariamente episódios tristes da nossa historia recente, que nem sequer fazem parte da experiência de muitos eleitores. Seria insensatez abrir feridas que estão a cicatrizar”, apela a CEAST.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados