Angola: Minicimeira de Luanda apela ao cessar-fogo na República Centro-Africana | Angola | DW | 16.09.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Angola: Minicimeira de Luanda apela ao cessar-fogo na República Centro-Africana

Chefes de Estado e de Governo dos Grandes Lagos pediram em Luanda o cessar-fogo na República Centro-Africana. Altos dirigentes condenaram o golpe de Estado na Guiné-Conacri e exigiram a libertação do Presidente deposto.

No discurso de abertura da minicimeira de Luanda sobre a República Centro-Africana (RCA), o Presidente angolano, João Lourenço, manifestou a sua preocupação pelo embargo de armas ao país.

"A RCA está a viver um contexto político interno diferente, [...] sendo que a prevalência desta situação impede as autoridades centro-africanas de usufruir das capacidades necessárias para garantir a sua própria segurança", referiu o chefe de Estado, que é também presidente em exercício da Conferência Internacional sobre a Região dos Grandes Lagos (CIRGL).

Ruanda, Kigali | Besuch des zentralafrikanischen Präsidenten Faustin-Archange Touadéra

Faustin Archange Touadéra, Presidente da RCA

João Lourenço encorajou o chefe de Estado da RCA, Faustin-Archange Touadéra, a "continuar com a força de vontade e compromisso que tem demonstrado, assumindo e liderando este processo de paz", capitalizando os esforços de negociação que têm sido levados a cabo.

"Num momento em que assistimos ao recrudescer das ações de terrorismo na região do Sahel, ao ressurgimento do fenómeno do mercenarismo e à alteração da ordem constitucional por via de golpes de Estado na África do Oeste, como no Mali e mais recentemente na Guiné, a República Centro-Africana não deve perder esta oportunidade que se lhe oferece de alcançar a paz", advogou Lourenço esta quinta-feira (16.09).

Altas-figuras apelam ao cessar-fogo

No encontro participaram os Presidentes da República do Congo, Sassou Nguesso, e da RCA, Faustin-Archange Touadéra, os presidentes do Conselho Militar de Transição da República do Chade, Mahamat Idriss Déby, e da Comissão da União Africana, Moussa Faki Mahamat, e representantes dos chefes de Estado dos Camarões, Sudão, República Democrática do Congo (RDCongo) e Ruanda.

No comunicado final da reunião, lido pelo chefe da diplomacia angolana, Téte António, os altos representantes dos países congratulam-se com a evolução positiva da situação política e militar na RCA e recomendaram um cessar-fogo imediato no país.
 
"A declaração de cessar-fogo por parte do governo da RCA o mais urgente possível, tendo em conta o compromisso assumido pelos líderes dos grupos armados, sendo o cessar-fogo um fator imprescindível para o sucesso de todo o processo e a criação de um clima propício para paz e a reconciliação nacional", lê-se no documento.
 
Estima-se que um em cada quatro habitantes da RCA tenha sido obrigado a fugir por causa do conflito, que começou em 2013, depois da queda de François Bozizé. O Presidente foi derrubado por grupos armados juntos na Séléka, a que se opuseram as milícias anti-balaka. 

Guinea Alpha Conde

Presidente Alpha Condé foi deposto pelos militares na Guiné-Conacri

Diálogo como solução

O angolano Osvaldo Mboco, professor de Relações Internacionais, considera que as conversações são fundamentais para a resolução deste conflito, sendo que o encontro desta quinta-feira "demonstra claramente que é necessário a continuidade do diálogo e da busca de soluções dos vários problemas a nível da região".

"Angola vem jogando um papel significativo sobre essa matéria, daí a necessidade de se reunir com regularidade com outros Estados que estão na própria região, porque só na base do diálogo, só na base destes encontros, é que se poderá encontrar soluções que, de facto, são impactantes para os problemas da República Centro-Africana", considerou o especialista.
 
No encontro em Luanda, João Lourenço voltou ainda a juntar a sua voz ao coro de políticos que condenaram o golpe de Estado na Guiné-Conacri. Os líderes da região pediram a libertação "imediata e incondicional" do Presidente deposto, Alpha Condé.

 

Leia mais