Angola: Frente Patriótica Unida ″não pode aparecer em público″ | Angola | DW | 23.05.2022

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Angola: Frente Patriótica Unida "não pode aparecer em público"

Segundo um responsável do Tribunal Constitucional de Angola, a Frente Patriótica Unida não foi registada oficialmente. Por isso, não se pode candidatar às eleições, nem realizar eventos políticos.

O diretor do Gabinete dos Partidos Políticos do Tribunal Constitucional disse que a Frente Patriótica Unida (FPU), plataforma política que integra os partidos UNITA e Bloco Democrático e a força PRA-JA Servir Angola, deve parar de realizar atividades políticas por não ser o ente jurídico reconhecido pelo Estado angolano.

Mauro Alexandre fez o apelo esta segunda-feira de manhã (23.05) durante um seminário de capacitação dos profissionais da comunicação social sobre o processo eleitoral.

Mauro Alexandre, diretor do Gabinete dos Partidos Políticos do Tribunal Constitucional

Mauro Alexandre: A FPU "não pode aparecer em público a produzir atividades políticas"

O responsável afirma que a FPU, liderada por Adalberto Costa Júnior, estará a incorrer em crimes se continuar a promover atos políticos.

A instituição que legaliza os partidos políticos em Angola lembrou que a Frente Patriótica Unida não pode apresentar candidaturas e que o processo de pré-campanha e campanha eleitoral está reservado apenas a forças partidárias legalizadas. Segundo Mauro Alexandre, os mentores desta plataforma política estarão a confundir os eleitores.

"A Frente Patriótica Unida não tem anotação do Tribunal Constitucional através de símbolos e siglas próprios. Por isso, não pode aparecer em público a produzir atividades políticas sob pena de confundir o eleitorado."

"Há consequências legais"

Mauro Alexandre alerta que a atividade político-partidária realizada fora dos marcos legais pode levar a penalizações.

"Por afronta à autoridade pública do Estado, há, naturalmente, consequências legais. A Lei dos Partidos Políticos e o próprio Código Penal angolano estabelecem determinadas combinações legais quando há desobediência à autoridade pública do Estado", destaca.

A Frente Patriótica Unida integra os partidos UNITA, Bloco Democrático e o projeto político PRA-JA Servir Angola, que viu negada a sua legalização como partido político. Na semana passada, a plataforma apresentou publicamente o seu órgão de direção nacional.

Registo eleitoral: "Angola não aprende com os erros"

Bloco Democrático rejeita críticas

Contactado pela DW África, Muata Sebastião, secretário-geral do Bloco Democrático e membro da campanha eleitoral da FPU, disse que, ao contrário do que afirmou o diretor do Gabinete dos Partidos Políticos do Constitucional, a plataforma não necessita de legalização.

"Esta plataforma de concertação política não poderá ter o formato que os outros e, sobretudo, o tribunal quiser que ela tenha. A FPU não precisa de ser legalizada. É apenas o nome que damos a esta iniciativa política", explica Muata Sebastião.

O político acrescenta que a FPU não tem trabalhado como um ente jurídico. 

Segundo Sebastião, o Bloco Democrático, o projeto político PRA-JA Servir Angola e algumas figuras da sociedade civil deverão participar nas eleições de agosto incorporados na lista do maior partido da oposição, a UNITA.

"O Bloco Democrático poderá não concorrer como ente individual. No âmbito desta concertação política, por conta desta plataforma, o Bloco Democrático poderá apoiar a candidatura que a plataforma assumir. É desta forma que vamos participar no pleito que se avizinha."

Artigo atualizado às 20:12 (CET) de 23 de maio de 2022.

Angola: "O meu voto vai para a juventude e não para os mais velhos"

Leia mais