Angola discute como realizar as primeiras eleições autárquicas | NOTÍCIAS | DW | 18.04.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Angola discute como realizar as primeiras eleições autárquicas

Cerca de três dezenas de ativistas angolanos protestaram diante do Parlamento, exigindo a realização "simultânea" em todos os municípios das primeiras eleições autárquicas em Angola previstas para 2020.

Assembleia Nacional de Angola começou a discutir esta quinta-feira, 18 de abril, na generalidade, nove diplomas sobre o Pacote Legislativo Autárquico, que vão definir o modelo ideal para a institucionalização das autarquias no país, cujas primeiras eleições estão agendadas para 2020.

Políticos e a população esperam unanimidade nas discussões, cuja primeira sessão foi marcada com protestos de angolanos à porta do Parlamento.

As propostas de lei sobre o Regime Financeiro das Autarquias Locais, Regime Geral das Taxas das Autarquias Locais, Regime da Tutela Administrativa sobre as Autarquias Locais e a Institucionalização das Autarquias Locais, são alguns dos temas que abriram em Luanda, os debates parlamentares com o objetivo de implementar o poder local em Angola.

Os projetos que foram discutidos e aprovados na generalidade durante a sexta reunião plenária da Assembleia Nacional, visam definir as regras estruturantes para que o poder autárquico seja uma realidade em Angola.

O coordenador da Acção para o Desenvolvimento Rural e Ambiente (ADRA), Belarmino Jelembe espera que as diferentes forças políticas encontrem consensos para o bem de todos os angolanos.

Ouvir o áudio 02:57

Angola discute como realizar primeiras as eleições autárquicas

Segundo o responsável da ADRA, "são várias propostas de leis, algumas mais controversas que as outras, e creio que há um material de base que servirá para se encontrar os consensos fundamentais. Entendemos as autarquias como um processo. Sendo um processo, o debate parlamentar não vai resolver tudo. Esse debate pode ajudar a criar os consensos essenciais para que venha ser adotado um modelo que possa proporcionar o desenvolvimento dos municípios”, afirmou.

Por seu turno, o economista Josué Chilundulo, que também espera unanimidade nos debates, considera errada, a perspetiva de descentralização que os políticos têm defendido.O docente universitário afirma que há uma componente das autarquias que compreende a perspetiva económica e social que precisa ser incluída nos debates.

"Estamos a olhar muito na perspetiva eleitoral, e também no exercício da descentralização do poder. Não estamos a velar pela perspetiva de que as materializações das autarquias poderão exigir um pouco mais dos cidadãos, porque elas vivem da capacidade produtiva dos cidadãos”, afirmou o analista angolano à DW África.

Projetos da oposição aprovados na generalidade

Dos nove diplomas autárquicos em discussão no Parlamento já foram aprovados por unanimidade, as duas iniciativas da UNITA, nomeadamente: "Projeto Lei da Tutela Administrativa sobre as Autarquias Locais e Projeto de Lei das Finanças Locais”.

Angola 2012 Wahlen Luanda (DW)

Angola: Eleições gerais 2012

O presidente do grupo parlamentar do partido do galo negro, Adalberto Costa Júnior, diz que Angola está 20 anos atrasado em relação à implementação do poder local. Por isso, quer que haja consenso nas abordagens dos deputados.

"É desejável que consigamos na Assembleia Nacional, consenso que satisfaça a expetativa das populações. Este é de fato, o maior objetivo dos trabalhos dos deputados”, disse o líder parlamentar da UNITA.

Adalberto Costa júnior disse ainda que sobre o poder local, deve ser dada uma maior atenção à realidade do país, para aquilo que as populações necessitam.

"A questão das autarquias é hoje um elemento incontornável. Temos a questão das autarquias em países africanos de expressão portuguesa, que encontraram uma extraordinária melhoria de vida nesse espaço de poder autónomo, complementar ao poder central. Estamos 20 anos atrasados”, afirmou o dirigente da UNITA.

MPLA continua a defender o gradualismo

Também o deputado Américo Cuononoca, que dirige a bancada do MPLA na Assembleia Nacional, disse à DW África que o seu partido espera que o pacote legislativo seja o guia para a implementação das autarquias em Angola.

Angola Parlamentarier (DW/B. Ndomba)

Parlamentares angolanos: Da esquerda para direita Américo Cuonoca (MPLA), Lucas Ngonda (FNLA), Benedito Daniel (PRS) e Adalberto Costa Júnior (UNITA)

O parlamentar deseja que sejam encontrados pontos convergentes entre os partidos para que o país tenha um "elemento de governação consensual”.

Mas ainda assim, Américo Cuononoca garante que o partido no poder vai continuar a defender o gradualismo geográfico. "O Executivo fez consulta pública e quase a maior parte da população defende o gradualismo. É um processo inédito no nosso país, portanto, seria um risco implementarmos de uma só vez as autarquias nos 164 municípios”.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados