Angola: ″Detenção de Zecamutchima é para abafar o Movimento Protetorado″ | Angola | DW | 09.02.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Angola: "Detenção de Zecamutchima é para abafar o Movimento Protetorado"

O presidente do Movimento do Protetorado Português da Lunda Tchokwe, José Mateus Zecamutchima, foi detido esta terça-feira em Luanda. Em entrevista à DW, o advogado Salvador Freire considera que a detenção é ilegal.

José Mateus Zecamutchima

José Mateus Zecamutchima

José Mateus Zecamutchima, líder do movimento responsável pela manifestação de 30 de janeiro, em Cafunfo, província angolana da Lunda Norte, e que terminou de forma violenta, é acusado dos crimes de rebelião e associação de malfeitores.

O dirigente do Movimento do Protetorado Português Lunda Tchokwe (MPPLT), que luta pela autonomia da região das Lundas, ficou detido no Serviço de Investigação Criminal (SIC) de Luanda, anunciou o seu advogado, Salvador Freire.

DW: África: O mandado de detenção apanhou Zecamutchima de surpresa?

Salvador Freire (SF): Sim, nós recebemos um telefonema do Serviço de Investigação Criminal (SIC) de Luanda em que pediam a presença do Zecamutchima para alguns esclarecimentos, segundo eles. Nós não concordámos com a posição do SIC e pedimos para que formalizassem. A princípio não queriam passar a notificação. Já no SIC, na presença do instrutor, começámos a verificar uma movimentação e um aparato. De repente foi-nos mostrado um mandado de detenção passado pelo Serviço de Investigação Criminal de Lunda Norte.

Angola Proteste in Luanda

Incidentes em Cafunfo, classificados como "massacre" por movimentos da sociedade civil, têm gerado contestação

DW África: O que refere a acusação?

SF: Que ele é acusado de suspeitas de envolvimento na prática dos crimes de rebelião e associação de malfeitores. Nós achamos a detenção ilegal. Utilizaram a nossa presença para deter o Zecamutchima. Zecamutchima não esteve presente nessa suposta manifestação, que também nem se realizou. Não compreendemos quais os critérios que eles encontraram.

DW África: O mandado de detenção provém da Lunda Norte. Receia que a qualquer momento Zecamutchima possa ser transferido para a província?

SF: Há essa indicação. O instrutor do processo disse-nos claramente que Zecamutchima será transferido para a província da Lunda Norte, onde está a decorrer o processo. Isso preocupa-nos. O Zecamutchima nunca saiu de Luanda, nunca esteve em nenhuma manifestação realizada na província, quer da Lunda Norte quer da Lunda Sul. Ele, de facto, é dirigente, é o presidente do Protetorado Português da Lunda Tchokwe, mas nunca esteve presente em qualquer manifestação.

DW África: O que está então a dizer é que, apesar da manifestação de 30 de janeiro ter sido organizada pelo Movimento do Protetorado, o líder nada teve a ver com os incidentes? Não esteve sequer presente?

SF: Efetivamente. Zeca tem falado com os seus correligionários por telefone e mais, em todas as manifestações que foram realizadas eles sempre comunicaram às autoridades a realização das manifestações. Não estamos a compreender como é que "rebeldes" [a designação usada pelas autoridades angolanas para descrever os manifestantes em Cafunfo] comunicam às autoridades que nós no dia tal, às "X” horas, vamos realizar uma rebelião. É um paradoxo.

Angola Justiz | Salvador Freire

Salvador Freire: "Não estamos a compreender como é que 'rebeldes' comunicam às autoridades que vão realizar uma rebelião"

DW África: Logo a seguir aos incidentes em Cafunfo alegou-se que Zecamutchima estaria foragido. Antes deste mandado de detenção, alguma vez foi notificado para prestar declarações ou apresentar-se às autoridades?

SF: Nunca foi contactado quer pela Polícia Nacional, quer pelo Serviço de Investigação Criminal, quer pela Procuradoria-Geral da República. Ele nunca esteve foragido, esteve sempre em Luanda.

DW África: Uma vez que diz que não percebe a acusação, acredita que os argumentos baseados nos últimos acontecimentos são apenas um pretexto para um "ajuste de contas" com Zecamutchima?

SF: Temos a certeza que esse ardil foi feito em função do que aconteceu na Lunda Norte. Não há outro argumento que nos possa convencer a nós, os advogados, ou à sociedade de que essa forma maquiavélica é apenas para deter o nosso constituinte. É para abafar o Movimento Protetorado, porque o Governo já declarou publicamente que não quer o diálogo, mas achamos que o diálogo seria fundamental para diminuir todos esses conflitos.

O processo não é um processo jurídico. Temos aqui uma questão política. Há muita ilegalidade, não houve uma investigação apurada e isenta das acusações que foram feitas. Vai ser difícil e temos a certeza que as nossas instituições, infelizmente, ainda agem de forma errónea.

Assistir ao vídeo 00:51

Angola: Polícia reprime protestos em Luanda

Leia mais