Adis Abeba: Aumenta o número de mortos e feridos em ataque durante comício | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 24.06.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Adis Abeba: Aumenta o número de mortos e feridos em ataque durante comício

Governo confirmou uma segunda morte após a explosão que deixou mais de 150 feridos no centro da capital etíope, no sábado (23.06). Detenções também foram anunciadas.

Uma segunda pessoa morreu depois de um ataque com granada na capital da Etiópia, este sábado, que feriu mais de 150 pessoas durante um comício com a presença do novo primeiro-ministro Abiy Ahmed. Neste domingo (24.06), a polícia recolheu mais evidências no local do atentado.

Nove policiais, incluindo o vice-chefe da comissão de polícia de Adis Abeba, foram presos por causa do que as autoridades disseram ser lapsos de segurança.

Seis outros suspeitos estão detidos por causa de ligações com o ataque que ocorreu na praça onde dezenas de milhares de apoiantes se reuniram, embora autoridades de segurança não tenham dito publicamente quem poderia ser o responsável.

Vítimas

O ministro da Saúde, Amir Aman, disse no Twitter que, a partir das 11h de domingo, duas pessoas morreram e 156 ficaram feridas, com cinco delas em estado grave. "Sinto muito saber que perdemos outra vítima etíope do ataque de ontem que estava na UTI do Hospital Black Lion", disse ele.

Äthiopien Addis Abeba Verletzte nach Bombenexplosion

Vítima foi encaminhada para um hospital após o ataque

O atentado ocorreu momentos depois que Abiy terminou seu discurso na praça Meskel, no centro de Adis Abeba. O líder do Governo, que visitou alguns dos feridos no hospital, descreveu a explosão como um "ataque bem orquestrado", mas não especulou sobre o possível culpado ou motivo.

Ele também confirmou em sua página no Facebook que duas pessoas morreram e 156 ficaram feridas. Ele também acrescentou que 44 pessoas foram levadas para o hospital, e cinco delas estavam em estado crítico.

Desde que assumiu o cargo, Abiy introduziu várias reformas, libertou centenas de presos políticos, procurou o diálogo com a oposição e iniciou conversações de paz com a Eritreia rival de longa data.

Comunidade internacional condena o ataque

Um porta-voz do secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, expressou "grande preocupação" com o incidente. "O secretário-geral condena este ato de violência. Ele transmite suas condolências às famílias das vítimas e deseja uma rápida recuperação para os feridos", disse Stephane Dujarric, ressaltando que "o secretário-geral expressa sua solidariedade ao Governo e ao povo da Etiópia".

Também a Embaixada dos Estados Unidos em Adis Abeba condenou o atentado e emitiu uma nota afirmando que "a violência não tem lugar enquanto a Etiópia busca reformas políticas e económicas significativas".

Uma terra de 100 milhões de habitantes, a Etiópia tem sido governada com mão de ferro. Apesar do rápido desenvolvimento económico, a Etiópia continua sendo um dos países mais pobres do mundo, de acordo com estatísticas da ONU.

Leia mais