4 de fevereiro: Ensino da História de Angola ″favorece″ o MPLA | Angola | DW | 04.02.2019

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

4 de fevereiro: Ensino da História de Angola "favorece" o MPLA

Assinala-se esta segunda-feira o início da Luta de Libertação Nacional em Angola. FNLA diz que a História tem sido mal contada. Segundo o investigador Cláudio Fortuna, a História é ensinada favorecendo o MPLA.

Pedro Gomes, da Frente Nacional de Libertação de Angola (FNLA), diz que a História do país tem sido mal contada e é preciso corrigir os manuais escolares - a começar pela data de 4 de fevereiro.

Segundo Gomes, este não foi o verdadeiro dia do início da Luta de Libertação Nacional, que culminou com a proclamação da independência, a 11 de novembro de 1975.

"O 4 de fevereiro não é a verdadeira data de início da luta armada em Angola. Para confirmar esse facto, há uma declaração do ex-Presidente da República Portuguesa, [Aníbal] Cavaco Silva, que diz que a data do início da luta armada em Angola foi 15 de março de 1961", afirma o também professor universitário.

Angola Portugal Portugiesischen Truppen in Luanda

Tropas portuguesas em Luanda, em 1962

"Foi com Portugal com quem nós lutamos. Não pode haver informações que não se compaginam com aquilo que foi a informação de Cavaco Silva", acrescenta.

O dia e o mês em que começou a luta pelo alcance da independência dividem há muito tempo as opiniões entre o Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA) e a FNLA. Enquanto o partido no poder fala em 4 de fevereiro, a formação política fundada por Holden Roberto aponta 15 de março como a real data do início da luta.

"É difícil para os estudantes conhecerem a História"

Mas, para Pedro Gomes, este não é o único erro histórico nos manuais escolares. O professor diz que "falta alguma seriedade" no ensino da História de Angola.

"O que se tem ensinado às nossas crianças é totalmente falso, não condiz com a verdade", comenta. "Esses manuais deviam ser corrigidos para, de facto, ensinar aos nossos jovens a verdadeira História de Angola, e essa História não se fará sem a participação da UPA [União dos Povos de Angola]/FNLA."

Ouvir o áudio 02:51

Ensino da História de Angola "favorece" o MPLA

A forma como a História angolana tem sido contada impede que os estudantes a conheçam verdadeiramente, afirma Cláudio Fortuna, do Centro de Estudos Africanos da Universidade Católica de Angola.

"O MPLA impingiu-nos ao longo deste tempo que o 4 de fevereiro foi o dia do início da luta armada. Há um exercício de disputa da hegemonia histórica, que as duas [MPLA e FNLA] e outras forças políticas têm estado a desenvolver no sentido de se repor a verdade. O que é facto é que acreditamos que, perante esse ambiente nebuloso, é difícil para os estudantes conhecerem a História."

O investigador não tem dúvidas de que a História de Angola que tem sido ensinada nas escolas favorece o MPLA, partido no poder, em detrimento de outras formações políticas e "daquilo que seria a verdade histórica".

Cláudio Fortuna acredita, no entanto, que a História real do país começará a ser bem contada nos próximos tempos: "A médio ou longo prazo, esse cenário poderá mudar na medida em que há algumas iniciativas peregrinas de investigadores, historiadores e nacionalistas no sentido de repor a verdade."

Mas "ainda há um pendor maior para o lado do MPLA", conclui.

Leia mais