África poderia alimentar-se a si própria se tivesse a infraestrutura certa | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 17.06.2022

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

África poderia alimentar-se a si própria se tivesse a infraestrutura certa

A seca, a Covid-19 e a invasão da Ucrânia estão a fomentar uma crise de fome em África. O continente tem solo fértil e água suficiente para dar resposta às suas necessidades, mas há muitos obstáculos a impedi-lo.

A invasão russa da Ucrânia, que começou em fevereiro de 2022, rapidamente teve consequências para África: o fornecimento de cereais e outros produtos agrícolas caiu subitamente, revelando como grande parte do continente africano continua dependente de importações.

Segundo Sara Mbago-Bhunu, diretora da divisão da África Oriental e Austral no Fundo Internacional para o Desenvolvimento Agrícola da ONU, os mais pobres são os mais afetados.

"O conflito na Ucrânia, mas também a pandemia de Covid-19, mostraram que os nossos sistemas alimentares não funcionam para os mais pobres e não respondem às necessidades alimentares nem aos requisitos de produção", alerta.

Pandemia reduziu poder de compra

Antes mesmo da guerra na Ucrânia, a pandemia do coronavírus já tinha reduzido de forma significativa o poder de compra das famílias. "Com os constrangimentos da Covid-19, os custos e preços dos alimentos triplicaram em todo o continente. Cerca de 60 a 70% dos rendimentos foram gastos em alimentos", frisa a especialista.

Somalia | Hungersnot

Seca está a afetar severamente a segurança alimentar em África

"E isto reduz imediatamente uma família de cinco ou seis pessoas à insegurança alimentar. Têm de escolher o que podem pagar, provavelmente alimentos mais baratos e menos nutritivos", acrescenta.

De acordo com Sara Mbago-Bhunu, muitos países africanos têm potencial para se tornarem exportadores de alimentos. A responsável do Fundo Internacional para o Desenvolvimento Agrícola cita como exemplos a República Democrática do Congo, a Zâmbia e o Malawi. Dada a quantidade de terrenos aráveis, poderiam produzir mais do que o suficiente para cobrir as necessidades de consumo interno.

África já cultiva cereais como o painço e o sorgo, bem como uma grande variedade de frutas e legumes. A criação de gado também oferece grandes possibilidades de produção de carne e laticínios em grande escala. No entanto, os hábitos alimentares perpetuam uma dependência dos produtos importados, tais como o trigo para fazer pão.

Por outro lado, os métodos de cultivo como o corte e queima têm contribuído para o empobrecimento do solo, e a desertificação aumenta. Proteger os reservatórios de água e utilizar técnicas como a irrigação gota a gota é urgente para melhorar o rendimento por hectare, defendem os especialistas.

Várias carências

Quem conhece a realidade em África alerta que falta mão de obra para as colheitas, com os jovens a preferir cada vez mais os centros urbanos. Por outro lado, há enormes dificuldades no transporte dos produtos.

Afrika Kenia Arbeiten niedriger Lohnsektor

Jovens africanos estão a abandonar cada vez mais a agricultura para procurar emprego nas grandes cidades

"Se for para o Sudão, demoro 13 ou 14 horas. Se for para a Europa, em 6 horas estou lá. Nós queremos fornecer as sub-regiões, mas há desafios. Pode causar surpresa descobrir que o transporte aéreo do Gana para os países vizinhos é mais caro do que ir para a Europa", afirma Kamassah Felix Mawuli, diretor de uma empresa agrícola do Gana.

O Acordo de Comércio Livre Africano, lançado oficialmente em 2019, não teve ainda grandes efeitos, e será necessário um enorme desenvolvimento das infraestruturas para evitar que as mercadorias se estraguem a caminho dos mercados regionais.

Ainda há muito trabalho pela frente para tornar a produção africana competitiva, diz Francisco Marí, especialista da organização não-governamental alemã "Brot für die Welt" (Pão para o Mundo). Segundo este ativista, é preciso reforçar a resiliência dos pequenos agricultores, em particular, face às alterações climáticas, e melhorar o fornecimento de energia e o acesso de agricultores e comerciantes a tecnologias inovadoras.

"Ficaríamos felizes se o mundo permitisse que África se alimentasse a si própria, aproveitasse a grande diversidade e oportunidades de produção alimentar e tivesse mercados locais abastecidos por produtores africanos, especialmente as grandes cidades", comenta.

"Ficaríamos felizes se estes mercados não fossem perturbados por importações em massa, como acontece há décadas", conclui.

Guerra na Ucrânia: Crise alimentar é também "oportunidade" para África

Leia mais