1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Alemanha medeia processo de guerra ou paz

Alemanha assume tarefa espinhosa na presidência do Conselho de Segurança da ONU. Este mês o órgão deve decidir se autoriza ou não nova intervenção militar no Iraque, posição defendida pelos EUA, mas rejeitada por Berlim.

default

Pleuger pode ser mestre de cerimônia na decisão da ONU sobre o Iraque

O mestre de cerimônia da decisão política das Nações Unidos poderá ser o embaixador alemão na ONU, Günter Pleuger, pois em função do aumento das pressões dos Estados Unidos sobre o grêmio máximo das Nações Unidas é provável que o processo sobre guerra ou paz seja decidido durante a presidência alemã. O diplomata Pleuger, de 61 anos de idade, vai presidir a reunião decisiva, na quarta-feira (5), na qual o secretário de Estado americano, Colin Powell, pretende apresentar novas provas de que o Iraque não cumpriu a resolução 1441 que determinou a eliminação de suas armas de destruição e programas bélicos, como o presidente dos EUA, George W. Bush, anunciou em seu pronunciamento à Nação.

Presidência é só mediação

Berlim é terminantemente contra uma ação militar isolada dos EUA para desarmar o Iraque e derrubar o seu presidente Saddam Hussein. É igualmente contra a legitimação de uma guerra pela ONU. Mas, como presidente do Conselho de Segurança, não pode influenciar uma decisão contra uma resolução que autorize um ataque militar no Iraque pelos EUA e seu aliado incondicional – a Grã-Bretanha.

Ao contrário dos dois aliados, além da França, China e Rússia, a Alemanha não pode vetar uma decisão no Conselho, porque não é membro permanente. O país assumiu no primeiro dia de 2003 como membro temporário, por dois anos, sem direito a veto. O Conselho aprovou a resolução 1441, por unanimidade, em novembro de 2002, ameaçando Bagdá com sérias conseqüências, caso não coopere com os inspetores de armas da ONU. Mas agora, após o relatório sobre os primeiros 60 dias de inspeções, o grêmio está dividido.

Estreito espaço de manobra

Washington e Londres enfrentam dura resistência com a sua exigência para que os inspetores encerrem rápido seus trabalhos, sobretudo por parte de Berlim e Paris. A posição de Schröder, contra uma guerra e a favor de que os inspetores devem ter o tempo que acharem necessário para procurar armas ilegais no Iraque, estreitou o espaço de manobra de seus diplomatas em Nova York. De forma que, na presidência do Conselho de Segurança nas próximas quatro semanas, eles terão que se equilibrar entre o papel de mediadores e o de defensores dos interesses nacionais.

O ministro alemão das Relações Exteriores, Joschka Fischer, também terá de praticar um certo equilíbrio na reunião de quarta-feira em Nova York. Na roda de ministros, Fischer servirá de mediador. Para a imprensa, ao contrário, será o advogado da posição oficial alemã contra uma guerra, com ou sem mandato da ONU.

O processo permanecerá em aberto, independente da força de persuasão do material de Powell. Pois, para o presidente Bush, uma resolução do Conselho de Segurança da ONU seria "desejável", mas não indispensável para uma intervenção militar no Iraque, a fim de garantir "a segurança interna americana e paz no mundo", como disse em seu pronunciamento à Nação.

Alemães optariam por abstenção?

Diplomatas acham provável que a Casa Branca dispense uma nova resolução, no caso de se delinear uma maioria fraca em seu favor, pois gostaria de uma aprovação unânime, como a de novembro passado. A luta continua e os mediadores têm uma tarefa espinhosa. O direito de veto da França ainda poderá ser a favor dos Estados Unidos, pois o presidente Jacques Chirac apoiou o discurso pacifista de Schröder, mas não fechou totalmente a porta para o curso belicista de Bush.

Se Paris escancarar essa porta, uma nova resolução empurraria Berlim para a defensiva. Por isso, diplomatas especulam a hipótese de a diplomacia alemã optar por uma abstenção como saída. Se a votação for ainda em fevereiro, o papel alemão de mediador serviria como justificativa para uma renúncia ao não anunciado por Schröder.

"Não esperem de nós a aprovação de uma resolução que legitime a guerra", disse o chefe de governo alemão, na véspera dos 40 anos do tratado de amizade entre Alemanha e França. Durante as comemorações, em 22 de janeiro, Chirac anunciou que os dois países tinham a mesma posição na questão do Iraque.

Leia mais