Vitória de Dilma atesta maturidade democrática no Brasil, diz mídia alemã | Eleições 2018 | DW | 01.11.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Eleições 2018

Vitória de Dilma atesta maturidade democrática no Brasil, diz mídia alemã

Mídia alemã enfoca vitória de Dilma Rousseff e aponta para os desafios do novo governo, principalmente na economia e nas políticas externa e interna.

default

Vitória de Dilma ocupou espaço na mídia alemã

Um dia após a vitória de Dilma Rousseff nas urnas, importantes veículos da mídia alemã analisam nesta segunda-feira (01/11) o futuro governo da presidente eleita.

"Dilma não tem o carisma de seu mentor, Lula, mas sua mensagem é clara: com uma política conservadora, ela pretende impulsionar a economia em crescimento e acabar com a miséria em algumas partes do país", escreve Jens Glüsing, correspondente no Rio de Janeiro para o semanário alemão Der Spiegel.

"Em sua festa pela vitória eleitoral, Dilma Rousseff, a primeira mulher a chefiar o maior país sul-americano, encontrou palavras simples e sóbrias, mas justamente no tom certo. Dilma Rousseff não é mulher de discursos inflamados, ela não tem o carisma e o talento retórico de Luiz Inácio Lula da Silva, uma estrela na política."

Por duas vezes Rouseff salientou em seu primeiro discurso como chefe de Estado eleito, o quão importante é a liberdade de expressão. Um sinal, segundo o correspondente do Spiegel, de que a ex-guerrilheira não se esqueceu da tortura e dos anos que passou na prisão durante a ditadura militar.

Sem rancores da imprensa

Ela não quer guerra com a imprensa brasileira, ela não quer censurar os jornalistas como seus colegas populistas de esquerda na Argentina, Venezuela, Bolívia e Equador, escreve o site do Spiegel. "Por isso, os articulistas da poderosa rede de televisão Globo, que descaradamente favoreceram o candidato da oposição, José Serra, lhe tributam respeito."

"A transformação do Brasil de gigante confinado em promissora superpotência emergente não começou com Lula. Na realidade, ela tem raízes em 1994, o ano do surgimento do real. Naquela época, através de um pacote de reformas econômicas e fiscais, o social-democrata Fernando Henrique Cardoso conseguiu colocar no rumo certo a nação abalada por uma hiperinflação e uma horrenda dívida."

"A vitória de Rousseff é uma prova da maturidade democrática no Brasil, apesar de todos os seus problemas", continua o correspondente em sua análise. "Hoje, eleições no Brasil acontecem sem problemas e de forma mais segura do que nos Estados Unidos. O sistema eletrônico de votação é considerado exemplar em todo o mundo."

"O fato de o país passar a ser liderado por uma mulher divorciada é uma evidência da normalidade democrática. Antigamente isso teria sido impensável", salienta o Spiegel.

Expectativas econômicas

"Rousseff deve se preparar para uma corda bamba na economia", escreve o jornal alemão Handelsblatt. "As incríveis taxas de crescimento e os altos gastos do Estado nos últimos meses deverão se tornar um problema para a futura presidente."

Para o diário, é preciso que Rousseff consiga a façanha de reduzir as despesas públicas, sem sufocar o crescimento e ao mesmo tempo sem se afastar de seus apoiadores. Por isso, escreve o Handelsblatt, provavelmente não tenha sido coincidência que, no pronunciamento pela vitória, Rousseff tivesse ao seu lado Antônio Palocci, ex-ministro das Finanças e "queridinho" de Wall Street.

O diário lembra que Palocci conseguiu impor cortes no orçamento do Estado já no primeiro mandato de Lula. Para os investidores estrangeiros, é claro o sinal de que ela continuará o curso da esquerda moderada do governo Lula, escreve o jornal especializado em economia.

Desafios do governo Rousseff

"Durante toda a sua campanha, Rousseff prometeu que vai dar continuidade à política de Lula. Entretanto, faltam-lhe seu carisma e sua flexibilidade. Por isso, muitos brasileiros temem que ela siga uma linha mais dura em relação à oposição, buscando mais confrontos", escreve a articulista do jornal Die Welt.

"Dilma assume um país que está transbordando de autoconfiança", destaca o veículo conservador, assinalando que o país sobreviveu tão bem à crise que este ano espera um crescimento econômico de 7,5%.

Em nível internacional, o Brasil está desempenhando um papel cada vez mais importante, e já há muito tempo assumiu a liderança política na América Latina. "Mas Lula também se esquivou de reprimir a política externa cada vez mais agressiva de Hugo Chávez na Venezuela."

Também na política interna o legado deixado a Dilma Rousseff envolve desafios: Lula não abordou a tão necessária reforma fiscal e, mais importante, a do sistema de aposentadorias. Além disso, há problemas com a segurança, especialmente nas grandes cidades, salienta o Die Welt.

Além disso, Dilma terá a tarefa hercúlea de preparar o país para a Copa de 2014 e para os Jogos no Rio de Janeiro em 2016. Se ela quer e se conseguirá sair da sombra de Lula, isso ainda está em aberto, conclui a articulista.

Compilação: Roselaine Wandscheer
Revisão: Augusto Valente

Leia mais