Verdes superam partido de Merkel pela primeira vez em eleição estadual | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 23.05.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Verdes superam partido de Merkel pela primeira vez em eleição estadual

A coalizão governista alemã perdeu a terceira eleição estadual consecutiva em 2011. Duas votações ainda estão por vir. CDU vem perdendo espaço por conta dos debates sobre energia nuclear.

default

A candidata verde Karoline Linnert vibra com vitória sobre CDU

A chanceler federal alemã, Angela Merkel, assistiu a mais uma derrota nas urnas do seu partido, a União Democrata-Cristã (CDU), neste domingo (22/05). As projeções da eleição ocorrida na cidade-estado de Bremen – o menor dos 16 estados alemães – mostram que o Partido Verde superou, pela primeira vez, os conservadores da CDU num pleito estadual.

Em março, a CDU havia perdido para os oposicionistas social-democratas e verdes no importante estado de Baden-Württemberg, no sudoeste alemão, governado pelos democrata-cristãos por quase seis décadas.

A situação do principal aliado do partido de Merkel, o Partido Liberal Democrático (FDP), é considerada ainda mais crítica: a legenda perdeu o direito a assentos nas assembleias de três das cinco unidades da federação disputadas até agora.

Outras duas eleições regionais devem acontecer até o final deste ano. Uma delas, aguardada com expectativa, será a de Berlim. Pesquisas de opinião mostram que na capital alemã a CDU também está atrás dos verdes e do Partido Social Democrata (SPD).

Para os líderes da CDU, os golpes sofridos pelo partido nas urnas são reflexo das discussões sobre o uso de energia nuclear no país, que se tornaram mais contundentes após o acidente com a usina de Fukushima, no Japão.

A perda de espaço pela CDU abriu um enorme debate no partido. "Precisamos ter em mente como podemos ficar mais fortes e atraentes nas grandes cidades. Temos que promover a nós mesmos, e não a oposição", defende o governador de Hessen e vice do partido, Volker Bouffier. Alguns democrata-cristãos, no entanto, defendem "atacar" os verdes a partir de agora para impedir a onda de crescimento dos oposicionistas.

Resultado esperado

Tradicional reduto dos social-democratas, que detêm o poder em Bremen há 66 anos, o resultado preliminar chama a atenção pelo crescimento dos verdes, empurrando os conservadores da CDU para o terceiro lugar. Enquanto SPD e Partido Verde registraram em Bremen, respectivamente, 38,3% e 22,7% dos votos, a CDU alcançou 20,1% dos votos – 5,5 pontos percentuais a menos do que o conquistado na última eleição, em 2007.

Bürgerschaftswahlen Bremen

Mohr-Lüllmann, da CDU: 'Este é um resultado amargo'

"Pela primeira vez na história da República Federal da Alemanha nós ficamos à frente da CDU em uma eleição regional", comemora Claudia Roth, uma das líderes do Partido Verde. "Este é um resultado amargo", constatou Rita Mohr-Lüllmann, da CDU de Bremen.

Segundo dados preliminares, o FDP alcançou apenas 2,6%. O índice está abaixo dos 5% mínimos exigidos para se obter representatividade na assembleia regional.

"Este resultado é difícil para nós", lamenta Peter Altmaier, parlamentar da CDU. "E infelizmente reflete o resultado de pesquisas de opinião", afirma, ressaltando a força que os verdes acabaram ganhando com os debates sobre energia nuclear.

Efeito Fukushima

Depois do acidente na usina de Fukushima, Merkel anunciou a suspensão dos planos de adiar o fechamento de usinas nucleares na Alemanha, além do fechamento emergencial de cinco das usinas mais antigas do país. A medida, porém, parece não ter conseguido reunir apoio suficiente à sua coalizão. "Só se pensa em Fukushima, na situação econômica após a crise financeira e na crise que atingiu alguns países, como a Grécia", diz Altmaier.

Merkel viu-se duramente criticada por sua gestão frente à crise financeira internacional, com muitos alemães com receio de terem que arcar com o resgate da Grécia.

Bürgerschaftswahlen Bremen

Foi a 1ª vez que jovens entre 16 e 17 anos puderam votar em eleições estaduais

Apesar de ter perdido a maioria na câmara alta do Parlamento (Bundesrat), formado por representantes dos governos dos 16 estados, o governo federal ainda tem uma sólida maioria na câmara baixa do Parlamento (Bundestag).

As eleições em Bremen marcaram também a primeira vez que jovens a partir de 16 anos puderam votar. A idade mínima exigida até então era de 18 anos para pleitos regionais e federais – sete estados permitem a participação eleitoral em nível apenas municipal a partir dos 16. Apesar do aumento do espectro de votantes, apenas 54% dos eleitores compareceram às urnas (votar não é obrigatório na Alemanha). No último pleito estadual em Bremen, o comparecimento havia sido de 57%.

MS/afp/rts
Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais