1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Mulher sendo imunizada em Erfurt, na Alemanha
Vacinas reduzem a transmissão da variante delta do coronavírus em 40%, aponta OMSFoto: Jens Schlueter/Getty Images
SaúdeGlobal

Vacinas dão "falsa sensação de segurança", alerta OMS

25 de novembro de 2021

Alarmada por situação da pandemia na Europa, Organização Mundial da Saúde ressalta que vacinas salvam vidas, mas não impedem completamente a transmissão do coronavírus. "Mesmo vacinado, continue tomando precauções."

https://www.dw.com/pt-br/vacinas-d%C3%A3o-falsa-sensa%C3%A7%C3%A3o-de-seguran%C3%A7a-alerta-oms/a-59932656

Em meio a uma "falsa sensação de segurança" causada pela proteção oferecida por vacinas, a Europa voltou a ser o epicentro mundial da pandemia de covid-19, afirmou nesta quarta-feira (24/11) o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus.

Em vídeo divulgado no Twitter, o diretor-geral da OMS afirmou: "Em muito países e comunidades, estamos preocupados com uma falsa sensação de segurança de que vacinas acabaram com a pandemia de covid-19 e de que as pessoas que estão vacinadas não precisam tomar nenhuma outra precaução."

Ele apontou que, antes do surgimento da variante delta do coronavírus, as vacinas contra a covid-19 reduziam a transmissão em cerca de 60%. "Com a delta, isso [a redução da transmissão] caiu para cerca de 40%."

A variante delta, mais contagiosa que a primeira cepa do Sars-Cov-2, é atualmente a versão do vírus dominante no mundo. De 845 mil sequenciamentos do vírus com base em amostras coletadas nos últimos dois meses e enviadas à iniciativa científica global GISAID, de compartilhamento de dados sobre as linhagens do Sars-Cov-2 em circulação, 99,8% eram da variante delta. A informação consta do relatório epidemiológico semanal da OMS.

"Vacinas não impedem completamente a transmissão"

"Vacinas salvam vidas, mas não impedem completamente a transmissão", ressaltou Ghebreyesus, pedindo que as pessoas  usem máscaras, mantenham distância, evitem aglomerações,e encontrem outras pessoas em ambientes ao ar livre, se possível, ou em ambientes fechados bem ventilados e lavem as mãos.

Além da vacina, tais medidas, segundo autoridades da OMS, continuam sendo uma ferramenta chave para frear a transmissão do coronavírus.

"Se você tomou a vacina, você corre um risco muito menor de desenvolver um quadro grave da doença ou até de morrer, mas ainda corre risco de ser infectado e de infectar outras pessoas", disse Ghebreyesus.

"Mesmo vacinado, continue tomando precauções para evitar ser infectado e infectar alguém que poderia morrer", alertou o diretor-geral da OMS.

Europa registra 60% das novas infecções

Segundo Ghebreyesus, na semana passada, mais de 60% dos casos de covid-19 registrados e mortes relacionadas à doença ocorreram na Europa. O número de novas infecções já está se traduzindo numa pressão insustentável para sistemas de saúde e na exaustão de funcionários, disse o diretor-geral da OMS.

Autoridades da OMS advertiram que o vírus Sars-Cov-2, causador da doença, continuará sendo intensamente disseminado no inverno europeu, num momento em que, motivadas pela época de festas de fim de ano, populações de vários países estão voltando a uma rotina de encontros sociais com níveis comparáveis aos do período pré-pandemia.

"Estamos de volta a níveis pré-pandêmicos de encontros sociais [na Europa], mesmo em meio ao aumento muito forte de novos casos e até em alguns países com forte pressão sobre seus sistemas de saúde", disse o diretor de emergências de saúde da OMS, Mike Ryan. "A verdade é que o vírus vai continuar sendo espalhado intensamente nesse tipo de ambiente."

rk/lf (Reuters, AFP, OTS)