Vacina de Oxford segue eficaz contra variante britânica, diz estudo | Novidades da ciência para melhorar a qualidade de vida | DW | 05.02.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Coronavírus

Vacina de Oxford segue eficaz contra variante britânica, diz estudo

Dados apontam que imunizante mostra eficácia de 75% em relação à nova cepa identificada no Reino Unido em dezembro.

A vacina contra o novo coronavírus desenvolvida pela Universidade de Oxford e pela companhia farmacêutica AstraZeneca mantém a efetividade diante da variante britânica do patógeno que provoca a covid-19, segundo indicam evidências científicas divulgadas nesta sexta-feira (05/02).

Pesquisadores da instituição acadêmica britânica apontaram para um efeito similar, quando se trata de combater a mutação do novo coronavírus ou fazer frente a cepa original.

A comunidade científica está preocupada pela possibilidade de que as vacinas que estão sendo aplicadas no Reino Unido pudessem deixar de ser efetivas contra a variante britânica. A variante, inicialmente identificada em Kent, sul da Inglaterra, é mais transmissível, o que levou muitos países a restringirem viagens ao Reino Unido. Também levou a um pico de infecções que forçou um novo lockdown nacional na Inglaterra no mês passado.

No estudo, que ainda não foi publicado formalmente, também é descrita a análise que sugere que vacinar com o agente imunizante da Oxford/AstraZeneca resulta em uma redução na duração da carga viral, o que poderia se traduzir uma queda da transmissão.

Entre as pessoas incluídas no estudo, a eficácia da vacina caiu de uma média de 84% contra as variantes mais antigas para 75% contra a variante de Kent. Apesar da queda, a proteção contra o que agora é a variante dominante no Reino Unido permanece acima do limite de 50% apontado pela Organização Mundial da Saúde como o mínimo necessário para a aprovação de uma vacina.

Andrew Pollard, professor de infecção pediátrica e imunidade, e investigador-chefe dos testes da vacina de Oxford, apontou hoje que os dados dos exames no país "indicam que a vacuna não apenas protege contra o vírus original, mas também contra a variante nova, denominada B117, que ocasionou na nova onda de contágio no fim de 2020. Sarah Gilbert, co-desenvolvedora da vacina, afirmou que, embora o imunizante tenha eficácia contra a variante britânica, ele pode precisar ser adaptado para futuras variantes.

O governo do primeiro-ministro, Boris Johnson, definiu como objetivo imunizar 15 milhões de pessoas antes do próximo dia 15. Hoje, o chefe do Executivo prometeu que todos os maiores e 50 anos serão imunizados até maio. A vacina de Oxford é uma das aprovadas no Brasil e dois milhões de doses prontas chegaram ao país em janeiro.

jps (efe, reuters, ots)

Leia mais