1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Manifestação em frente ao Congresso uruguaio em 2013 pela legalização da maconha
Manifestação em frente ao Congresso uruguaio em 2013 pela legalização da maconha Foto: Pablo Porciuncula/AFP/Getty Images

Uruguai dá início à venda de maconha em farmácias

18 de julho de 2017

País sul-americano passar a ser o primeiro do mundo a distribuir a substância legalmente por meio de rede autorizada. Mecanismo estatal irá controlar todo o processo, desde o cultivo até o consumidor final.

https://www.dw.com/pt-br/uruguai-d%C3%A1-in%C3%ADcio-%C3%A0-venda-de-maconha-em-farm%C3%A1cias/a-39744306

A partir desta quarta-feira (19/07) tem início no Uruguai a venda legalizada de maconha para fins recreativos. Com isso, o país sul-americano se torna o primeiro do mundo onde o próprio Estado distribui a substância legalmente por meio de uma rede de farmácias autorizadas, em um mecanismo que deverá controlar todo o processo, desde o cultivo até o consumidor final.

De acordo com a nova regra, interessados poderão adquirir a substância em 16 farmácias registradas pelo país a um custo de 187 pesos uruguaios (cerca de 20 reais) por cinco gramas, informou nesta terça-feira o Instituto de Regulação e Controle de Cannabis (IRCCA).

Até o momento, duas variedades da droga foram registradas: a Alfa I e a Beta I, ambas com uma concentração de cerca de 2% de tetrahidrocanabinol (THC), componente psicoativo da planta.

O acesso à erva se dará com a impressão digital do usuário, que assim não precisará divulgar suas informações pessoais. Haverá, no entanto, um limite de compra de 10 gramas semanais e 40 mensais, e os consumidores deverão ter mais de 18 anos, cidadania uruguaia ou residência no país há mais de um ano. Para se ter acesso à maconha legal também será necessário se registrar nas agências dos correios do país. De acordo com os últimos dados da IRCCA, o número de pessoas já habilitadas é de 4.959.

A venda em farmácias ainda é limitada e não cobre todo o território do Uruguai, mas as autoridades acreditam que, pouco a pouco, irão adicionar mais estabelecimentos e registrar mais consumidores, pois isso fará com que o produto possa ser adquirido por meios legais sem exposição do usuário aos riscos de comércio ilegal.

A liberação da venda de maconha em farmácias estava prevista na lei que regulou a produção, comercialização e distribuição da droga. A regra havia sido aprovada em dezembro de 2013durante o governo do então presidente José Mujica (2010-2015).

Simultaneamente à distribuição em farmácias, operam no Uruguai outros dois mecanismos legais para aquisição de maconha: os clubes de cannabis (63 autorizados) e os chamados autocultivadores (6.948).

IP/efe/dpa/epd