″Uma parte de nós queimou com a Notre-Dame″, diz Macron | Notícias internacionais e análises | DW | 15.04.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

"Uma parte de nós queimou com a Notre-Dame", diz Macron

O mundo em choque viu a catedral, um dos símbolos mais célebres de Paris, do catolicismo e do Ocidente, queimar num incêndio. As reações, por várias partes do planeta, foram de comoção.

As chamas consomem a catedral histórica: fogo se espalhou rapidamente

As chamas consomem a catedral histórica: fogo se espalhou rapidamente

O mundo em choque acompanhou nesta segunda-feira (15/04) a Catedral de Notre-Dame, um dos símbolos mais célebres de Paris, do catolicismo e do Ocidente, queimar parcialmente numincêndio.

"Notre-Dame de Paris em chamas. Emoção de uma nação inteira. (...) Como todos os nossos compatriotas, estou triste esta noite por ver esta parte de nós queimar", disse o presidente da França, Emmanuel Macron. Ele prometeu reconstruir a catedral. "Vamos reconstruir Notra-Dame. O pior foi evitado, mas a batalha não está totalmente vencida", afirmou, enquanto os bombeiros ainda combatiam as chamas.

A declaração do presidente francês, que cancelou toda sua agenda para se dirigir ao local do desastre, foi foi acompanhada de manifestações de outros líderes locais e pelo mundo.

A prefeita de Paris, Anne Hidalgo, afirmou: "Não há uma palavra forte o suficiente para expressar a dor que sinto frente à Notre-Dame devastada pelas chamas. Nesta noite, todos os parisienses e franceses choram por esse símbolo da nossa história comum".

O Vaticano recebeu com "incredulidade e tristeza" a notícia do "terrível" incêndio que devastou a Catedral de Notre-Dame, "símbolo da cristandade na França e no mundo".

Steffen Seibert, porta-voz da chanceler federal da Alemanha, Angela Merkel, também comentou a tragédia. "Que dor ver essas imagens terríveis da Notre-Dame em chamas. Notre-Dame é um símbolo da Franca e da nossa cultura europeia. Todos os nossos pensamentos estão com nossos amigos franceses, com que nos solidarizamos", disse.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, também se manifestou sobre o incêndio no Twitter. "É horrível ver o enorme incêndio na Catedral de Notre-Dame, em Paris. Talvez aviões-tanque com água possam ser usados ​​para apagá-lo. É preciso agir rapidamente!"

Vincent Neymon, porta-voz da Conferência dos Bispos da França, afirmou que "um lugar importante da fé católica está queimando”.

A primeira-ministra britânica, Theresa May, disse que os seus "pensamentos estão com a população francesa" e com "os que combatem o terrível incêndio na catedral.

Já o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, afirmou que a catedral é "a Notre-Dame de toda a Europa", manifestando o seu apoio à França. "Notre-Dame é de Paris, é de toda a Europa. Hoje, estamos todos com Paris", disse no Twitter.

A diretora-geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), Audrey Azoulay, mostrou sua "imensa comoção" com o incêndio e, ao mesmo tempo, ofereceu o apoio da organização para a restauração do templo. "A Unesco acompanha de perto a situação e está ao lado da França para proteger e reabilitar este patrimônio inestimável", escreveu Azoulay, ex-ministra da Cultura da França.

O presidente Jair Bolsonaro, também lamentou, em nome do povo brasileiro, o "terrível incêndio" na catedral de Notre-Dame de Paris.

"Em nome dos brasileiros, manifesto profundo pesar pelo terrível incêndio que assola um dos maiores símbolos da cultura e da espiritualidade cristã e ocidental, a catedral de Notre-Dame, em Paris. Neste momento sombrio, as nossas orações estão com o povo francês", escreveu o chefe de Estado na rede social Twitter. 

Em setembro do ano passado, também o Brasil viu os dos seus mais importantes museus ser destruídos pelas chamas. O Museu Nacional do Rio de Janeiro perdeu praticamente todo o seu património histórico, científico e cultural na sequência do incêndio. 

--------

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 

WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Leia mais