UE condena ameaças de Erdogan | Notícias internacionais e análises | DW | 11.10.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

UE condena ameaças de Erdogan

Líder turco ameaçou "abrir portões da Europa" para milhões de refugiados após receber críticas por causa de operação militar na Síria. Conselho Europeu diz que bloco não vai tolerar ameaças.

Pessoas deixam região no norte da Síria. UE teme catástrofe humanitária em razão da ofensiva militar da Turquia

Pessoas deixam região no norte da Síria. UE teme catástrofe humanitária em razão da ofensiva militar da Turquia

O Conselho Europeu condenou nesta sexta-feira (11/10) a ameaça da Turquia de inundar o continente europeu com migrantes e refugiados. Alguns governos do bloco avaliam impor sanções em razão da ofensiva militar do país no norte da Síria.

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, reagiu às condenações de líderes da União Europeia (UE) à intervenção militar turca, com a qual Ancara planeja criar uma "zona segura" que poderia acomodar os 3,6 milhões de refugiados sírios que se encontram no território turco.

"Se vocês tentarem enquadrar nossa operação como uma invasão, nossa tarefa será simples: abriremos os portões e lhes enviaremos 3,6 milhões de migrantes", alertou Erdogan nesta quinta-feira.

O presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, considerou a declaração de Erdogan como uma ameaça. "A Turquia deve compreender que nossa maior preocupação é que suas ações possam levar a uma nova catástrofe humanitária", afirmou o polonês. "Não aceitaremos que os refugiados sejam utilizados como arma e usados para nos chantagear", declarou Tusk.

A UE e a Turquia selaram um acordo em 2016 onde Ancara se comprometeu a bloquear o fluxo migratório para a Europa em troca de se uma ajuda de 6 bilhões de euros e da liberação de vistos de viagem para seus cidadãos. O país, entretanto, se queixa com frequência da falta de ajuda por parte de Bruxelas.

A declaração de Erdogan também gerou reações em alguns governos europeus. O primeiro-ministro da Itália, Giuseppe Conte, acusou o líder turco de chantagem e pediu o fim imediato da ofensiva militar.

O Ministério de Assuntos Europeus da França disse que o país pretende discutir na reunião de cúpula da UE, na próxima semana, possíveis sanções ao país.

"Não vamos permanecer passíveis ao lidarmos com uma situação que é chocante para civis, para as SDF [Forças Democráticas Sírias – milícia curda que ocupa o norte do país árabe] e a estabilidade da região", afirmou a ministra Amelie de Montchalin.

O Parlamento da Suécia exigiu um embargo ao comércio de armas. Chipre e Grécia também exigem sanções econômicas contra a Turquia em razão da exploração de gás promovida pelo país em águas na costa cipriota.

RC/rtr/afp

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | App | Instagram | Newsletter

Leia mais