1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Porto de Ust-Luga
Porto russo de Ust-Luga, de onde partem navios-tanque com óleo para países da UEFoto: Imago Images/Itar-Tass/

UE chega a acordo para reduzir importação de petróleo russo

31 de maio de 2022

Países-membros concordam em banir importação de óleo russo por via marítima, efetivamente cortando 70% das entregas para o bloco. Mas europeus estabelecem exceção para oleoduto-chave como forma de apaziguar Hungria.

https://www.dw.com/pt-br/ue-chega-a-acordo-para-reduzir-importa%C3%A7%C3%A3o-de-petr%C3%B3leo-russo/a-61981076

Líderes da União Europeia chegaram a um acordo nesta segunda-feira (30/05) sobre a proposta de embargo das importações de petróleo da Rússia e concordaram em excluir do sistema Swift o Sberbank, o principal banco russo.

Na questão do petróleo, após uma série de dificuldades e resistência de alguns países, especialmente a Hungria, representantes dos 27 países-membros, concordaram com uma solução salomônica: banir completamente as importações de petróleo por via marítima e manter uma exceção para o envio por meio do oleoduto Druzhba, que liga a Rússia à Europa Central.

O último ponto foi uma concessão à Hungria, país sem acesso ao mar, que depende fortemente do petróleo e do gás da Rússia. Construído na era soviética, o Druzhba é o maior oleoduto do mundo, com cerca de 4.000 quilômetros de extensão e responde por um terço do petróleo importado pela UE, alimentando sobretudo a Hungria, a República Tcheca, a Eslováquia e o leste da Alemanha.

Segundo a Comissão Europeia, somente o embargo do petróleo que chega por via marítima vai efetivamente cortar 70% das importações de petróleo russo que chegam ao bloco. Somado a promessas individuais de alguns países do bloco, como a Alemanha, de reduzir as importações de petróleo russo, o corte pode chegar a 90% até o fim do ano.

A UE obtém cerca de 40% do seu gás natural e 25% de seu petróleo da Rússia. A continuidade dessa dependência tem sido um motivo de tensão para o bloco, já que, indiretamente, a compra de energia dos russos tem ajudado a financiar a máquina de guerra do Kremlin contra a Ucrânia.

"Acordo para proibir a exportação de petróleo russo para a UE. Isso cobre imediatamente mais de 2/3 das importações de petróleo da Rússia, cortando uma enorme fonte de financiamento para sua máquina de guerra. Pressão máxima sobre a Rússia para acabar com a guerra. Este pacote de sanções inclui outras medidas contundentes: cortar [do sistema] Swift o maior banco russo, o Sberbank; banir mais três emissoras estatais russas; e sancionar indivíduos responsáveis por crimes de guerra na Ucrânia", informou, por meio do Twitter, o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel.

"Congratulo-me com o acordo esta noite sobre sanções petrolíferas contra a Rússia. Isso reduzirá efetivamente cerca de 90% das importações de petróleo da Rússia para a UE até o final do ano", escreveu na rede a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen.

A proibição das importações de petróleo russo foi proposta inicialmente pela Comissão Europeia há quase um mês. Mas a resistência, principalmente por parte da Hungria, vinha atrasando a implementação da proposta. Reunidos em Bruxelas, representantes dos 27 Estados-membros do bloco tiveram um dia intenso de negociações antes do anúncio do acordo.

A Hungria, um país sem acesso ao mar, importa 65% do petróleo que consome da Rússia através do oleoduto Druzhba e, junto com a Eslováquia e a República Tcheca, havia solicitado uma exceção à proibição de importação.

Antes do anúncio, o primeiro-ministro estoniano, Kaja Kallas, foi franco sobre as chances de que os líderes nesta cúpula anunciassem uma posição definitiva sobre a proposta de embargo de petróleo russo nesta segunda-feira. "Não acho que chegaremos a um acordo hoje", disse Kallas, observando que seria "mais realista" esperar por tal entendimento na próxima cúpula europeia, marcada para o final de junho.

Mais cedo, o presidente da Ucrânia, Volodimir Zelenski, pedira aos líderes da União Europeia que mantivessem a unidade do bloco diante da Rússia e cessassem as disputas internas em relação ao sexto pacote de sanções do bloco.

"É preciso acabar com todas as brigas na Europa, disputas internas que só encorajam a Rússia a colocar cada vez mais pressão sobre vocês", disse Zelenski por videoconferência durante a cúpula da UE em Bruxelas. "É o momento de não estarem divididos, não sejam fragmentos e sim um todo unido", disse ele.

A participação de Zelenski durou pouco mais de 10 minutos e, ao contrário do discurso da última cúpula, quando se referiu pessoalmente a cada líder europeu, desta vez o ucraniano dirigiu-se aos líderes do bloco em geral. "É evidente que deve haver progresso nas sanções pela agressão. E para nós é muito necessário", acrescentou.

Além do corte nas importações de petróleo, a UE concordou nesta segunda-feira em fornecer 9 bilhões de euros em ajuda para a Ucrânia.

jps (dpa, AP, AFP, ots)