1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Tanques turcos na fronteira com a Síria
Tanques turcos na fronteira com a SíriaFoto: Getty Images/AFP/B. Kilic

Turquia amplia presença militar na Síria

3 de setembro de 2016

Tanques turcos voltam a cruzar fronteira, desta vez a nordeste de Aleppo, para combater o "Estado Islâmico" e conter o avanço de milícias curdas, que vinham ganhando território em meio à guerra civil.

https://p.dw.com/p/1JvNf

Tanques turcos voltaram a cruzar a fronteira neste sábado (03/09), abrindo uma nova linha de ataque no norte da Síria para combater o "Estado Islâmico" e conter o avanço de milícias curdas.

Os tanques – cerca de 20, segundo a imprensa local – cruzaram a fronteira a nordeste de Aleppo, a partir de Elbeyli, na província de Kilis. O avanço faz parte da operação "Escudo do Eufrates", primeira incursão turca por terra na Síria desde o início da guerra civil.

Os militares turcos conseguiram entrar na cidade síria de al-Rai para apoiar a nova ofensiva. Agora sob controle dos rebeldes, al-Rai estava anteriormente nas mãos do "Estado Islâmico". Ela fica a oeste de Jarablus e faz parte de um corredor de 90 quilômetros perto da fronteira turca que Ancara diz estar limpando dos jihadistas e protegendo da expansão da milícia curda.

No momento em que os tanques cruzavam a fronteira, três foguetes lançados a partir do território sírio controlado pelo EI atingiram o centro da cidade de Kilis, capital da província turca de mesmo nome.

O ataque não causou feridos, e a artilharia turca bombardeou a zona a partir da qual foram lançados os mísseis e destruiu duas posições do EI. Desde janeiro, 21 cidadãos turcos foram mortos nessa cidade em ataques com foguetes lançados por jihadistas

A Turquia está atenta aos ganhos territoriais dos curdos na guerra civil da Síria e teme que isso possa inflar o movimento separatista da minoria curda em seu território. Curdos estabeleceram três zonas autônomas no norte da Síria desde que a guerra civil eclodiu, em 2011. Eles negam, porém, que estejam tentando fundar um Estado próprio.

RPR/rtr/efe