Trump menospreza mãe de soldado morto no Iraque | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 31.07.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Trump menospreza mãe de soldado morto no Iraque

Candidato republicano afirma que muçulmana não estava "autorizada" a falar durante convenção democrata e desperta críticas de ambos os partidos. Em resposta, ela diz que Trump "não tem ideia" do que seja sacrifício.

Khizr Khan e a esposa, Ghazala, durante a convenção do Partido Democrata

Khizr Khan e a esposa, Ghazala, durante a convenção do Partido Democrata

O candidato republicano à Casa Branca, Donald Trump, rechaçou neste sábado (30/07) as críticas do pai de um soldado morto no Iraque, que afirmara que o magnata "nunca sacrificou nada e ninguém por seu país", em declarações feitas durante a convenção do Partido Democrata.

"Creio que já fiz muitos sacrifícios", respondeu Trump à emissora de televisão ABC News, segundo uma entrevista divulgada neste sábado. "Eu trabalho muito, muito duro. Criei milhares e milhares de empregos, dezenas de milhares de empregos, e construi grandes estruturas. Tive um tremendo sucesso. Penso que fiz muito."

O advogado Khizr Khan, um cidadão americano de origem paquistanesa, recebeu muita atenção na quinta-feira, durante a convenção democrata, ao contar a história de seu filho, o capitão do Exército Humayun Khan, que morreu na explosão de uma bomba no Iraque, em 2004.

O advogado, que é muçulmano, atacou Trump por propor a proibição da entrada de muçulmanos nos Estados Unidos e perguntou se o candidato havia lido a Constituição do país. Logo depois, retirou do bolso do paletó uma edição da carta magna, em um dos momentos mais comentados da noite em que democrata Hillary Clinton aceitou a indicação de seu partido para concorrer à presidência.

Donald Trump

Trump: "Creio que já fiz muitos sacrifícios. Eu trabalho muito duro e criei milhares de empregos."

"É isso que os redatores de Hillary escreveram para ele?", perguntou Trump na entrevista. O candidato afirmou, ainda, que Khan pareceu ser muito emotivo e uma boa pessoa, mas levantou dúvidas sobre o silêncio da esposa dele durante a intervenção. "Ela estava parada ali, não tinha nada para dizer. Provavelmente nem sequer estava autorizada a ter algo para dizer", declarou Trump.

A declaração foi duramente criticada, tanto por democratas como por republicanos. O ex-presidente Bill Clinton disse não acreditar que Trump tenha se referido dessa maneira à mãe de um herói de guerra. Já o governador de Ohio, o republicano John Kasich, afirmou que os pais de heróis de guerra devem ser tratados com honra e respeito.

A mãe do soldado, Ghazala Khan, afirmou à emissora MSNBC na sexta-feira que preferiu não falar porque não consegue sequer ver fotografias de seu filho. Ela estava ao lado do marido na convenção, vestindo um véu islâmico e em silêncio. Em artigo no jornal Washington Post, ela afirmou que Trump "não tem ideia do que a palavra sacrifício significa".

Khizr Khan afirmou ao jornal New York Times que assessores da campanha de Hillary lhe perguntaram se queria ajuda com seu discurso. "Eu lhes disse: realmente não, eu tenho as ideias na minha cabeça. Somente deixem-me dizer o que quero falar. E será de coração para coração", frisou.

FC/ap/rtr/afp

Leia mais